Logo Exame.com
Breaking NewsFusões e Aquisições

Em sua maior aquisição, GPS compra GRSA e entra forte em alimentação

Líder em serviços de manutenção, limpeza e segurança, grupo adiciona R$ 3,3 bilhões em receita bruta -- e vai bater de frente com Sodexo e Sapore

IPO do Grupo GPS: Desde a listagem, em abril de 2021, ações avançam 62% (Foto: Divulgação) (GPS/Divulgação)
IPO do Grupo GPS: Desde a listagem, em abril de 2021, ações avançam 62% (Foto: Divulgação) (GPS/Divulgação)
Natalia Viri

28 de março de 2024 às 09:31

O Grupo GPS, líder em serviços de limpeza, manutenção e segurança, está comprando a GRSA, uma das líderes em catering e restaurantes corporativos do país – numa aquisição transformacional que dá escala e acesso a um segmento complementar a seu core business.

O negócio é o maior já fechado pelo GPS, e vai adicionar R$ 3,3 bilhões em receita bruta à companhia que faturou R$ 11,5 bilhões em 2023.

Uma máquina de aquisições, a GPS vem consolidando o mercado de serviços prediais. Desde o IPO, há três anos, a companhia tinha já tinha feito 22 aquisições, que trouxeram R$ 4,8 bilhões em receita.

O GPS já vinha molhando o pé no setor de catering, mas com transações menores, como a aquisição da LC Restaurantes e da Marfood.

Com a GRSA, que pertencia com à multinacional britânica Compass Group, a companhia agora briga de frente com a Sodexo e a Sapore por um mercado que movimenta R$ 27 bilhões por ano no país.

As sinergias do segmento de facilites e de alimentação corporativa são óbvias, a começar pela venda cruzada de serviços. O segmento de catering também é intensivo em mão de obra, que em facilities chegada a representar 80% do custo -- mas também tem um componente importante de insumos.

LEIA MAIS:

“Com a aquisição da GRSA, a GPS traz uma expertise, uma escala e um poder de compra importante para atuar no segmento”, afirma uma fonte próxima à companhia.

A GPS não abriu qual o valor da aquisição, mas segundo o INSIGHT apurou, ela será feita em dinheiro, sem troca de ações.

O segmento de catering é menor e mais concentrado que o de facilities no Brasil – um mercado endereçável de R$ 250 bilhões de acordo com dados da AT Kearney. Líder em manutenção, limpeza e segurança, a GPS tem 5% de share.

A integração entre os segmentos é uma aposta das companhias do setor. De olho em um IPO, a Sapore está ampliando sua presença no setor de facilities.

No ano passado, comprou a Branco Branco, uma operação ainda relativamente pequena, com faturamento de R$ 100 milhões, mas que dá entrada em 20 Estados do Brasil. O plano é que a operação sirva como uma plataforma para M&A no segmento.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.