Logo Exame.com
Fast food

Do Big Mac ao Whopper: Ex-CEO do McDonald’s, Paulo Camargo assume a Zamp de olho em M&As

Executivo é profundo conhecedor de fast food, mas seu molho especial é a habilidade de construir cultura corporativa e integração; ações da Zamp sobem mais de 15%

Burger King: missão de Paulo Camargo é construir uma ‘house of brands’ (Victor Moriyama/Bloomberg/Getty Images)
Burger King: missão de Paulo Camargo é construir uma ‘house of brands’ (Victor Moriyama/Bloomberg/Getty Images)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

21 de junho de 2024 às 15:43

O Whopper no Brasil acaba de ganhar um gostinho de Big Mac. A chegada de Paulo Camargo, ex-CEO do Mc Donald’s no Brasil, anunciada na manhã desta sexta-feira, 21, marca a virada de 180 graus na estratégia da Zamp, operadora do Burger King e do Popeyes no Brasil, sob o comando do Mubadala.  

A missão do executivo é construir uma ‘house of brands’, abrigando um conjunto de companhias na área de alimentação – a começar pela aquisição da Starbucks no Brasil, que está em fase final de negociação.  

“Vamos analisar oportunidades de mercado e buscar marcas que são a número 1 ou 2 do seu respectivo segmento”, afirma o Camargo em entrevista ao INSIGHT. 

SAIBA ANTES: Receba as notícias do INSIGHT pelo Whatsapp

Nesse novo mantra, além de conhecimento da indústria, cultura é ‘molho especial’ para unificar uma série de marcas que hoje não operam sob o mesmo guarda-chuva. 

“O ponto mais importante para mim é gente. Temos que ter as melhores práticas e foco na execução”, ressalta. 

Assim que seu nome foi anunciado, os funcionários da Zamp receberam uma carta de Camargo destinada ao time. (A recepção deve ter sido curiosa: os funcionários do Burger King não se referem ao McDonald’s pelo nome, mas sim por um apelido carinhoso: ‘o Palhaço’.) 

O mercado não achou palhaçada. Os papéis da Zamp avançam 15% neste pregão, após uma queda de mais de 40% ano – acentuada na última semana, desde que foi anunciada a saída de Ariel Grunkraut, que era um dos fundadores da companhia, onde estava há 13 anos.  

A capacidade de Camargo de agregar pessoas é uma das habilidades mais destacadas por fontes que conhecem de perto o executivo.  

Nos seus anos de McDonald’s, ele provocou uma revolução na cultura dos pontos de venda, focando na qualidade de atendimento e na experiência em loja, para além dos produtos e da estratégia de preço.  

Foi sob sua batuta que o McDonald’s virou o ‘Méqui’ no país, se aproximando dos brasileiros e reforçando seu posicionamento de ‘love brand’.  

“Ele era muito próximo das lojas e dos funcionários, tinha esse papel inspirador e era recebido como celebridade quando chegava”, aponta um dos interlocutores.  

Fora do McDonald’s desde 2022, Camargo enxerga o novo cargo como uma volta às origens. Ele começou a carreira na Pepsico Restaurantes, atual Yum Brands. Por lá, ajudou a expandir diversas redes de fast food na América Latina, como Taco Bell e KFC.  

"Foi a minha escola. Sempre pensam na transformação que liderei no Mc Donald’s, mas talvez eu seja o único cara no mundo com todas essas passagens”, destaca. 

O executivo era também conselheiro da IMC, que opera hoje marcas como Pizza Hut e KFC – e, agora na concorrência, deve deixar o cargo.  

No Burger King, Camargo vai pegar uma casa já azeitada em termos de eficiência operacional. Controle de custos e operações enxutas eram os principais valores da Zamp, que operou sobre o mantra ‘faster, smarter, cheaper’ desde que aterrissou de vez no Brasil em meados da década de 2010.  

“Com o foco no atendimento e no ponto de venda, ele tem o potencial para levar a experiência para outro patamar”, afirma um investidor que conhece bem o setor. 

Em sequência a uma expansão acelerada de 2015 até a 2019, quando deu trabalho e roubou share do McDonald's com uma estratégia agressiva de preços, o Burger King perdeu fôlego depois da pandemia. Com mais lojas em shoppings do que nas ruas, foi mais castigado durante a Covid-19, quando o Méqui se aproveitou do delivery e dos drive-thrus.

Desde então, o desempenho das duas companhias descolou: em 2022, as vendas em mesmas lojas (aquelas abertas há pelo menos 12 meses) do BK subiram 21%, se recuperando do tombo do ano anterior, enquanto as do McDonald's, que já tinham caído menos, avançaram 28,8%. No ano passado, um novo descolamento: as vendas comparáveis ficaram praticamente estáveis na dona do Whopper, enquanto as da dona do Big Mac subiram quase dois dígitos, 9,9%, puxadas pelo aumento das vendas e tíquete médio nas lojas.

A aproximação de Camargo com a Zamp começou pouco depois de março deste ano, quando Camargo tomou a decisão de sair da Espaçolaser. 

Além de construir uma nova cultura do zero, Camargo terá o desafio de pilotar o mercado. Desde que o Mubadala assumiu o controle da companhia no ano passado, há uma grande incerteza sobre o futuro da Zamp.  

Ela passa tanto pelo potencial de geração de valor como uma máquina de M&As, como pelo que o fundo árabe pretende fazer com a empresa: fechar o capital ou eventualmente se fundir com algum outro player listado.  

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Suzano dá play no Projeto Cerrado e mira ganho de margem e novos investimentos

Suzano dá play no Projeto Cerrado e mira ganho de margem e novos investimentos

Grupo Wine cria joint venture com Miolo e lança seus primeiros vinhos autorais

Grupo Wine cria joint venture com Miolo e lança seus primeiros vinhos autorais