Logo Exame.com
Breaking NewsVarejo

Casas Bahia alonga R$ 1,5 bi em dívidas e afasta temores de insolvência

Dívidas que venceriam em 2024 e 2025 foram renegociadas para 36 meses; caixa cresceu R$ 800 milhões entre terceiro e quarto trimestres

Casas Bahia: Fluxo de caixa livre foi positivo em R$ 648 milhões em 2023

(Foto: Divulgação) (Casas Bahia/Divulgação)
Casas Bahia: Fluxo de caixa livre foi positivo em R$ 648 milhões em 2023 (Foto: Divulgação) (Casas Bahia/Divulgação)
Natalia Viri

Natalia Viri

29 de fevereiro de 2024 às 19:59

A Casas Bahia acaba de anunciar o alongamento de R$ 1,5 bilhão em dívidas que venciam entre este ano e o próximo para daqui a três anos, ganhando um respiro importante de liquidez e afastando, ao menos no médio prazo, especulações de que a companhia poderia ter que recorrer a uma recuperação judicial.

Em fato relevante arquivado há pouco, a empresa também antecipou ao mercado sua posição de caixa ao fim do ano (em números preliminares e ainda não auditados), mostrando uma melhora significativa no indicador. Ao fim de 2023, a varejista tinha R$ 3,58 bilhão em caixa, quase R$ 800 milhões a mais do que no encerramento do terceiro trimestre.

Parte desse valor veio de um reforço de R$ 500 milhões que entraram em novembro com a constituição de um Fundo de Direitos Creditórios (FIDC), conforme sinalizou o CEO Renato Franklin em entrevista concedida ao INSIGHT em janeiro.

Mas há indícios de que o fluxo de caixa no período foi bem mais saudável do que nos anteriores, quando houve queima significativa. Do segundo para o terceiro trimestre, por exemplo, o caixa da Casas Bahia tinha aumentado apenas R$ 100 milhões, apesar da entrada de quase R$ 600 milhões vindos de um follow-on.

A dívida reperfilada estava nas mãos de Bradesco e BB, passando um sinal de confiança dos bancos, que têm longo relacionamento com a Casas Bahia, no plano de reestruturação da companhia. O custo das operações será de CDI + 4% ao ano, a mesma taxa – elevada e que já aguentava desaforo – prevista nos empréstimos originais.

O novo vencimento vai acontecer em 36 meses, com uma carência de 18 meses para o pagamento do principal. A partir de então, os pagamentos vão acontecer de forma escalonada: 5% a cada trimestre e 70% no último mês do contrato.

Agora, R$ 1,8 bilhão em dívidas vencem em 24 meses, contra R$ 3,1 bilhões pré-renegociação. A dívida bruta da companhia é de R$ 3,9 bilhões.

Com um plano de reestruturação que envolveu fechamento de lojas, ajustes no marketplace, melhora na gestão de estoque e contenção de despesas, o CEO Renato Franklin, que assumiu a companhia em maio do ano passado, tem como meta gerar caixa até o fim de 2024 para entrar um novo ciclo de crescimento a partir do próximo ano.

A Casas Bahia divulga o balanço do quarto trimestre em 13 de março.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.

Continua após a publicidade
Com expectativa de fusão, Azul e Gol firmam parceria para voos no Brasil

Com expectativa de fusão, Azul e Gol firmam parceria para voos no Brasil

Safra vê resultados de turnaround e eleva Alpargatas de 'venda' para 'neutro'

Safra vê resultados de turnaround e eleva Alpargatas de 'venda' para 'neutro'