Logo Exame.com
Americanas

A nova proposta da Americanas aos credores

Trio do 3G se compromete a aportar R$ 12 bi na empresa, contra proposta anterior de R$ 10 bi

Americanas: Novos números vêm onze meses depois do estouro de um maiores escândalos corporativos do país (Leandro Fonseca/Exame)
Americanas: Novos números vêm onze meses depois do estouro de um maiores escândalos corporativos do país (Leandro Fonseca/Exame)

10 de outubro de 2023 às 21:00

A Americanas apresentou hoje uma nova proposta aos bancos dentro da sua recuperação judicial, em que trio Jorge Paulo Lemann, Beto Sicupira e Marcel Telles se compromete a colocar mais dinheiro na mesa em troca de uma conversão maior das dívidas em ações da companhia.

Na prática, o novo plano adiciona R$ 4 bilhões à capitalização prevista na companhia – e, se aprovada, reduz o saldo remanescente de dívida de R$ 42,5 bilhões para R$ 1,87 bilhão.

No novo desenho, o trio fundador da 3G Capital faria um aporte de R$ 12 bilhões já no curto prazo. Anteriormente, a proposta era de uma injeção de R$ 10 bilhões, com mais R$ 2 bi a serem pagos em 2027 e 2028, atrelados a métricas de desempenho.

Tanto na proposta mais recente quanto na mais antiga, o valor total inclui os R$ 2 bilhões na modalidade DIP (debtor-in-possesion) que foi aprovado em fevereiro garantido pelos acionistas de referência, e do qual a empresa já acessou pouco mais de R$1,5 bilhão para manter o curso das suas operações.

Em contrapartida a esse reforço de caixa imediato, os bancos credores converteriam também R$ 12 bilhões de dívida em ações da Americanas. Na proposta anterior, a conversão seria de R$ 10 bilhões.

Da dívida total da Americanas, R$ 35 bilhões estão nas mãos dos bancos, que, após a conversão das dívidas, ficam com um saldo de R$ 23 bilhões a receber.

A empresa pretende fazer uma emissão de R$ 1,87 bilhão em nova dívida para alongar os passivos. A proposta anterior contemplava uma emissão maior, de R$ 5,7 bilhões, que deixaria a companhia mais endividada ao fim do processo.

A Americanas pretende usar ainda R$ 8,7 bilhões dos recursos que vão entrar em caixa com a capitalização para recompra antecipada do saldo remanescente da dívida, com desconto.

Nesse valor, estão tanto R$ 2 bilhões voltados a um leilão reverso com desconto mínimo de 70% -- que, amortiza, portanto, R$ 6,7 bilhões. Outros R$ 6,7 bilhões serão usados para fazer um pagamento antecipado dos poucos mais de R$14 bilhões restantes, o que implica um haircut de pouco mais de 50%.

Os passivos trabalhistas e com micro e pequenas empresas tem previsão de pagamento integral (sem desconto) e há “alternativas de pagamento diferenciadas para os fornecedores”, que somam uma dívida de R$ 5,5 bilhões, disse a varejista em fato relevante divulgado na noite desta terça-feira.

“A companhia segue empenhada nas negociações destes termos com seus credores financeiros, em busca de uma solução sustentada que permita a continuidade de suas atividades”, reforçou a Americanas no documento.

Enquanto isso, a varejista segue sem êxito na tentativa de venda de ativos. No último dia 3, a empresa informou que suspendeu o processo de venda da Uni.Co, dona da Pucket, Imaginarium e Lovebrand. Esse era um dos ativos  listados como potenciais alienações para levantar recursos, o que incluía também o avião da companhia e o Hortifruti Natural da Terra. De acordo com o plano apresentado em março, R$ 2 bilhões provenientes dessas alienações seriam usados para reduzir a dívida da Americanas.

A companhia está sendo assessorada pelo banco Rothschild&Co.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.

Continua após a publicidade
Safra vê resultados de turnaround e eleva Alpargatas de 'venda' para 'neutro'

Safra vê resultados de turnaround e eleva Alpargatas de 'venda' para 'neutro'

Renner bate consenso com melhora nas vendas

Renner bate consenso com melhora nas vendas