• AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
  • AALR3 R$ 20,20 -0.49
  • AAPL34 R$ 66,78 -0.79
  • ABCB4 R$ 16,69 -3.75
  • ABEV3 R$ 13,98 -1.13
  • AERI3 R$ 3,67 -0.81
  • AESB3 R$ 10,70 0.00
  • AGRO3 R$ 30,74 -0.32
  • ALPA4 R$ 20,46 -1.35
  • ALSO3 R$ 18,92 -0.94
  • ALUP11 R$ 26,83 0.86
  • AMAR3 R$ 2,41 -1.23
  • AMBP3 R$ 29,84 -2.29
  • AMER3 R$ 23,45 1.56
  • AMZO34 R$ 66,86 -0.09
  • ANIM3 R$ 5,36 -2.72
  • ARZZ3 R$ 81,01 -0.23
  • ASAI3 R$ 15,95 3.24
  • AZUL4 R$ 20,93 -1.46
  • B3SA3 R$ 12,13 2.71
  • BBAS3 R$ 37,15 4.06
Abra sua conta no BTG

SoftBank: startup parceira do Inter capta US$ 28 mi de olho no Brasil

A americana Atom Finance, fundada em 2018, é dona de uma plataforma que reúne e organiza informações sobre empresas listas em bolsa
 (Reuters/Issei Kato)
(Reuters/Issei Kato)
Por Carolina IngizzaPublicado em 23/06/2021 09:00 | Última atualização em 23/06/2021 09:35Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A americana Atom Finance é a mais nova investida do SoftBank Latin America Fund. A companhia, dona de uma plataforma para investidores monitorarem as empresas listadas em bolsa, anuncia nesta quarta-feira, 23, ter concluído sua rodada de captação série B de US$ 28 milhões, liderada pelo SoftBank e com a participação dos investidores anteriores, a americana General Catalyst (Airbnb, Stripe) e a brasileira Base Partners (Nubank, Wildlife). O anúncio acontece semanas depois de a empresa divulgar uma parceria com o Banco Inter, também investido do SoftBank, para começar a operar no Brasil.

A startup foi fundada em 2018 por Eric Shoykhet, um ex-analista da Blackstone, para ajudar investidores independentes a gerir seu portfólio. De forma automatizada, a empresa coleta dados sobre as empresas listas nas bolsas americanas e disponibiliza para os usuários. As funções básicas estão disponíveis de graça, mas caso o cliente queira mais detalhes sobre a sua carteira, pode pagar uma assinatura premium de US$ 10 dólares por mês. A companhia não divulga quantos assinantes possui, mas garante que o produto é usado por "centenas de milhares de pessoas nos Estados Unidos".

"A Atom está quebrando paradigmas no mercado de pesquisa de investimentos ao implementar a melhor tecnologia, software e expertise do setor. O SoftBank está entusiasmado com a parceria", afirma Shu Nyatta, chefe do escritório do SoftBank em Miami, em nota.

Apesar de ter surgido para atender o investidor pessoa física, a Atom recebeu dezenas de pedidos de empresas, bancos e gestoras ao longo dos últimos dois anos para fornecer sua solução em um modelo de plataforma "white label". Para a startup, as parcerias são uma forma rápida de expandir sua operação e internacionalizar o negócio para a América Latina. A primeira iniciativa do tipo anunciada foi com o Banco Inter no começo de junho deste ano. Em entrevista ao EXAME IN, Shoykhet contou que os clientes do banco terão acesso a partir do mês que vem ao produto, que foi customizado para analisar as ações brasileiras. O preço da assinatura em reais ainda não foi definido.

Além de fomentar o crescimento do número de usuários, dobrar o tamanho do time (de 30 para cerca de 60 pessoas até o final do ano) e abrir um escritório em Miami, a Atom vai usar o capital recebido na Série B para expandir para outros países da América Latina, como o México, por meio de outras parcerias estratégias. "Nossos investidores nos incentivaram a explorar as oportunidades da região. Então, nessa rodada, buscamos um parceiro global que pudesse nos ajudar a aumentar o reconhecimento da marca e escalar nossa operação corporativa. O SoftBank, com sua experiência no mercado de fintechs, foi o parceiro perfeito", diz o fundador.

No mercado americano, a startup aposta na diversificação de ativos e construção de novas ferramentas para continuar a conquistar assinantes — o crescimento tem sido expressivo: desde o começo do ano, a base aumentou mais de 250%. Nos próximos meses, além das ações americanas, os clientes poderão receber informações sobre o mercado canadense e também sobre criptoativos. Mas o fundador garante que a companhia está igualmente empenhada em crescer nos Estados Unidos e explorar oportunidades no Brasil e na América Latina. “O desafio é continuar a contratar ótimas pessoas para podermos continuar a crescer na velocidade que queremos”, afirma Shoykhet.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

                              Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.