Mais que IPO: B3 lança programa para aproximar empresas do mercado de capitais

Com o programa Conexões de Valor, instituição reúne empresas abertas e fechadas em fóruns periódicos para troca de experiências
B3: foco é agregar conhecimento a partir de lições do dia a dia das empresas (Getty Images/Getty Images)
B3: foco é agregar conhecimento a partir de lições do dia a dia das empresas (Getty Images/Getty Images)
K
Karina SouzaPublicado em 16/08/2022 às 10:18.

A B3 lançou um novo programa para se aproximar de empresas brasileiras, de olho em oferecer aprendizado sobre o mercado de capitais, o Conexões de Valor. Com a proposta de atrair tanto empresas de capital aberto quanto as de capital fechado, a ideia é reuni-las em fóruns periódicos para oferecer lições a partir do dia a dia de cada uma dessas empresas por meio da troca de experiências. Menos cara de escola e mais oportunidade de networking, por assim dizer. 

Inscreva-se no EXAME IN e saiba hoje o que será notícia amanhã.Receba no email os alertas de notícias e links para os vídeos do talk show quinzenal

Em tempos de redução no volume de IPOs, o programa visa oferecer uma oportunidade para as empresas não listadas (e que têm interesse em fazê-lo) se capacitarem para isso, segundo Rafaela Vesterman Araújo, gerente de relacionamento com empresas da B3. “Falamos muito do nosso papel de educar o investidor pessoa física, mas também enxergamos esse potencial com empresas. É melhor que elas cheguem mais bem-preparadas quando querem se listar. Facilita a vida delas, do investidor, da B3, de todo mundo. O programa é uma forma de apoiá-las e oferecer as ferramentas necessárias para isso”, diz, ao EXAME IN. 

Ao mesmo tempo, para as companhias já listadas, o foco é mostrar que a B3 oferece mais do que ofertas de ações, oferecendo mais conhecimento sobre debêntures e outras formas de crédito. “Se o mercado não tem apetite para ações, para outros produtos está tão ou mais aquecido do que no ano passado. O foco é mostrar o que a B3 oferece e explicar sobre as opções no portfólio de produtos do mercado de capitais”, diz Leonardo Resende, superintendente de relacionamento com empresas e estruturadores de ofertas da B3.

Os encontros periódicos deverão olhar para cinco temas principais: como explorar fontes de captação, governança corporativa, como dominar o dia a dia de uma companhia aberta, como potencializar o valor de mercado e as melhores práticas em temas como cibersegurança e ESG. A ideia é que as empresas inscritas compareçam somente aos que têm a ver com o momento pelo qual cada negócio passa – pode não fazer sentido para uma empresa fechada ir a um fórum sobre liquidez, por exemplo – a fim de aproveitarem ao máximo o conhecimento prático dos encontros. Por isso, o público para cada fórum varia: no caso dos que podem atrair uma grande quantidade de empresas, o limite deve ficar em torno de 200 companhias convidadas para comparecer. Já aos fóruns super nichados, o público pode ser tão selecionado quanto 20 companhias.

Além de oferecer trocas de experiências entre empresas, os encontros também trazem palestrantes para cada um dos temas, de olho em melhorar o aproveitamento dos fóruns e garantir relacionamento entre as companhias e agentes com os quais elas poderiam ter dificuldade de encontrarem em um ambiente diferente. Por exemplo, em razão das mudanças regulatórias da CVM, a B3 convidou o diretor da CVM que atuou na mudança da regra para explicá-la às empresas que participarem dos fóruns. 

Os encontros são totalmente gratuitos. O foco é mostrar que tudo é feito com a curadoria da B3 – e que os temas são elencados por ordem de importância e não por interferência de patrocínio. O programa foi estruturado a partir das conversas que a instituição mantém com empresas, de olho em sanar dúvidas de forma prática e simples. 

A ideia é que os fóruns programados aconteçam ao longo de um ano – mas serão renovados periodicamente, de acordo com os novos assuntos que as empresas apontarem. “Depende muito do momento da empresa. Por exemplo, uma companhia que esse ano participou de um fórum de governança e ano que vem quer falar de temas mais aprofundados, quer estruturar RI e comunicação com a imprensa, pode se dedicar mais a esses assuntos no próximo ano. Não é um programa com um ciclo que tem de ser encerrado em 12 meses”, diz Vesterman.

A inscrição para participar dos encontros é feita de forma totalmente gratuita e está disponível no site da B3. As empresas interessadas e que não puderem acompanhar os fóruns de forma presencial terão acesso aos vídeos disponibilizados no site.