Inadimplência com covid-19 leva Bradesco à pior rentabilidade em 20 anos

“Pico da crise do coronavírus será pior do que as de 2008 e 2016”, alerta presidente Octavio de Lazari

O balanço do primeiro trimestre do Bradesco  serviu de termômetro do impacto que o coronavírus pode ter sobre o setor financeiro e, portanto, sobre a economia. O banco teve a pior rentabilidade de seus últimos 20 anos, segundo série histórica da Bloomberg.

O motivo? A expectativa de perdas com inadimplência.

A despesa com a chamada provisão para devedores duvidosos (PDD) alcançou 6,7 bilhões de reais no primeiro trimestre. O salto foi de 68,5% na comparação com o número do quarto trimestre, ou um adicional de 2,7 bilhões de reais. O percentual do que o banco espera perder no trimestre em relação a todos os créditos concedidos subiu de 2,6% para 4,1%.

O incremento na inadimplência esperada é a principal explicação para o lucro da instituição ter caído cerca de 40% tanto na comparação anual quanto em relação ao trimestre anterior, para 3,75 bilhões de reais no intervalo de janeiro a março.

Com isso, o retorno sobre patrimônio, denominado pela sigla em inglês ROAE e um dos indicadores mais usados quando o assunto é banco, teve forte queda: de 21,2% para 11,7%. De forma simplista, indica quanto do capital empregado pelo banco se transformou mesmo em lucro.

Quem achou ruim, precisa saber que pode piorar. O Bradesco já sabe e já avisou. Isso tudo foi o que deu para perceber com os primeiros 15 dias da crise no Brasil, pois o balanço do primeiro trimestre inclui apenas duas semanas de aumento das preocupações com a pandemia.

O presidente da instituição, Octavio de Lazari, acredita que o pico da crise do coronavírus será pior do que foram as de 2008 e de 2016. “Essa crise não afeta setores específicos, mas a todos.”

O comportamento do crédito e da tal da PDD reinaram como temas absolutos da teleconferência que o banco promoveu para falar do balanço, conduzida pelo executivo.

“A nossa experiência com crise aponta que, descontado esse momento inicial de busca de liquidez pelas companhias, a demanda por crédito vai cair e a inadimplência vai aumentar. Essa é só nossa melhor fotografia. Mas é bastante possível que novos ajustes sejam necessários nos próximos trimestres”, afirmou ele. O tamanho deles vai depender basicamente da ciência: se tem remédio e vacina para dar mais confiança à população e conter os estragos na economia.

 

Excluídos os efeitos da variação cambial, a carteira de crédito expandida do Bradesco fechou março em 655 bilhões de reais – um aumento de 17% na comparação anual e de 5% em relação a dezembro. A expansão foi basicamente conduzida pela contratação de crédito por companhias, com avanço de 8% no volume. As pessoas físicas tiveram alta de apenas 2,5%.

O total de crédito em renegociação subiu de 19 bilhões de reais para 19,6 bilhões na comparação entre março e dezembro. E o percentual dos créditos com atraso superior a 90 dias passou de 17,4% para 20,8%.

Todo mundo enxuto

Lazari já deu indicativos de que o foco no digital, na economia de custos e na eficiência também vai se acelerar nos bancos. Nos três primeiros meses do ano, 78 agências foram fechadas. Para se ter uma ideia do quão acelerado foi o movimento, em 12 meses, ou seja, de março de 2019 a março de 2020, foram fechadas 95 agências – portanto, 82% disso aconteceu depois de janeiro. Para o ano, a meta do Bradesco é baixar as portas de 300 unidades físicas de atendimento.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.