Logo Exame.com
Creditas

Talk Show EXAME IN: Creditas vê oportunidade R$ 400 bi em dívidas para serem renegociadas

Pessoas físicas têm R$ 2,5 trilhões em dívidas e parte importante poderia ter custo final reduzido a menos da metade

Sergio Furio no estúdio da Exame, durante gravação do talk show (Exame/Reprodução)
Sergio Furio no estúdio da Exame, durante gravação do talk show (Exame/Reprodução)
Graziella Valenti

Graziella Valenti

27 de março de 2023 às 14:39

“Tenho pesadelos até hoje”, brinca Sergio Furio, o espanhol que deixou a vida de consultor no setor financeiro para iniciar uma fintech no Brasil, sobre o início do negócio, em 2012, quando resolveu fundar a fintech BankFácil, a atual Creditas. “Empreendedor gosta de problema grande”, responde ele, quando questionado sobre os motivos para ter escolhido o país. Furio foi o convidado da vez do Talk Show EXAME IN (confira a entrevista na íntegra ao fim da matéria). O começo foi dureza: foram três anos fazendo tudo com muito pouco dinheiro.

Criada para ser um marketplace de produtos financeiros, a Creditas deu uma guinada em 2017, quando trocou de nome e decidiu explorar ela própria as oportunidades do mercado de crédito com garantia no Brasil, modalidade pouco difundida por aqui. O problema grande a que ele se referiu não é a concentração do mercado brasileiro, mas o spread bancário – a diferença entre o custo de capital do banco e o que é cobrado do cliente. “Na Espanha, o custo do meu financiamento imobiliário é o mesmo de dez anos atrás, 0,39% ao ano. Não é só uma questão de concentração. Lá é pior do que aqui: três bancos têm 80% do mercado e aqui, são cinco. É uma questão do quanto o mercado decide ser competitivo.”

Furio afirma que mais da metade do mercado de crédito para pessoa física no Brasil é feito sem colateral, sem nenhuma garantia. “Na Espanha e mesmo nos Estados Unidos, esse percentual é menos de 10%”, destacou ele, durante o bate-papo no programa. Na opinião do empreendedor, falta educação financeira na população para além do investimento, do lado das dívidas. “O brasileiro se preocupa se a parcela cabe no bolso e fica com medo de dar casa ou carro em garantia. Mas não vê que, em três anos de juros astronômico, perdeu em dinheiro o equivalente uma casa no financiamento”, enfatiza ele.

No ano passado, a Creditas teve R$ 1,85 bilhão de receita e fechou dezembro com uma carteira de crédito de R$ 6 bilhões. O tamanho da oportunidade no mercado brasileiro é realmente grande. Considerando apenas a carteira existente dos bancos, onde o crédito a pessoa física soma cerca de R$ 2,5 trilhões, há cerca de R$ 400 bilhões que poderiam ser renegociados e ter o custo reduzido à menos da metade, no lugar de 7% ao mês, cerca de 3% mensais, segundo cálculos de Furio.

O crédito bom, na visão do empreendedor, é transformador para uma sociedade. “É o que permite uma sociedade ter um salto na geração de PIB per capita”, disse, citando exemplos como acesso a recursos para investimento em educação ou para o empreendedorismo. “Temos essa responsabilidade, também, de educar o brasileiro.”

Na conversa com o EXAME IN, Furio conta como foi a transformação da Creditas e os desafios para o futuro. Além do fundador da fintech, já estiveram no programa Leonel Andrade, CEO da CVC, Pedro Zemel, CEO do Grupo SBF, Ana Luiza MacLaren, fundadora do Enjoei, Miguel Gularte, ex-Marfrig América do Sul e agora CEO da BRF, Jeane TsuTsui, CEO do Fleury, Roberto Fulcherberguer, presidente da Via, dona das Casas Bahia, Cesario Nakamura (Alelo),  Roberto Funari (Alpargatas), Abilio Diniz (GPA), Felipe Miranda (Empiricus), Eduardo Mufarej (GK Ventures), Augusto Lins (Stone), Rodrigo Abreu (Oi), Cláudia Woods (WeWork), Dennis Herszkowicz, (Totvs), Daniel Silveira (Avon), Túlio Oliveira (Mercado Pago) e Carlos Brandão (Iguá Saneamento). Também passaram pela mesa de conversa do programa Marcelo Barbosa, presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM),  Daniel Castanho, fundador e presidente do conselho de administração da Ânima Educação, Daniel Peres, fundador da Tropix, um market-place de NFTs de arte digitais, para destrinchar o metaverso, Ricardo Mussa, presidente da RaízenRicardo Faria, o empresário que é o maior emergente do setor de agronegócios do país, e Cristina Andriotti, CEO da Ambipar Environment. E no ano passado, ainda os fundadores da OpenCo, Sandro Reiss e Rafael Pereira, e o presidente do conselho de administração da GP Investimentos e da G2D, Fersen Lambranho.

O programa recebe grandes personalidades do mundo corporativo e financeiro para um bate-papo descontraído sobre os principais desafios, aprendizados e oportunidades do mercado brasileiro em suas áreas de atuação. Os episódios podem ser conferidos no canal da EXAME no Youtube e também no Spotify.

O que é o EXAME IN O programa vem para complementar a produção de conteúdos do EXAME IN, a butique digital de notícias de negócios da EXAME e que conta também com uma newsletter desde março de 2020 (increva-se grátis para receber no email), com informações sobre mercado de capitais, negócios e startups.

yt thumbnail

 

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Graziella Valenti

Graziella Valenti

Editora Exame IN

Criadora do EXAME IN, espaço dedicado à cobertura de negócios, com foco em mercado de capitais. Na EXAME desde março de 2020, ficou 13 anos no Valor Econômico, oito como repórter especial, sete anos na Broadcast, do Grupo Estado.

Continua após a publicidade
Itaú BBA dá ‘compra’ para Inter e vê ROE entre 15% e 20%

Itaú BBA dá ‘compra’ para Inter e vê ROE entre 15% e 20%

ENTREVISTA: Os planos do Nubank para continuar a crescer no Brasil

ENTREVISTA: Os planos do Nubank para continuar a crescer no Brasil