Logo Exame.com
Ensino superior

Talk show: Daniel Castanho, do Grupo Ânima, fala sobre o ensino do futuro

O empreendedor questiona a proliferação de “cursos medíocres” nos últimos 15 anos e aposta em um modelo híbrido de ensino para o futuro

Daniel Castanho, fundador e presidente do conselho de administração do Grupo Ânima Educação, durante gravação do talk show do EXAME IN (Eduardo Frazão/Exame)
Daniel Castanho, fundador e presidente do conselho de administração do Grupo Ânima Educação, durante gravação do talk show do EXAME IN (Eduardo Frazão/Exame)
DRo

Da Redação

1 de outubro de 2021 às 18:35

“Educação para um país não pode ser prioridade, tem de ser premissa”. A frase é de Daniel Castanho, fundador do Grupo Ânima Educação, na oitava edição do EXAME IN, talk show da EXAME comandado pela jornalista Graziella Valenti. Filho de um dono de colégio de Sorocaba, no interior de São Paulo, o empresário basicamente nasceu na escola e hoje preside o conselho de administração de um grupo que acumula mais de 340.000 alunos.

Na entrevista, Castanho, que também é sócio do empresário Ricardo Semler no plataforma Lumiar, dedicada ao ensino fundamental, questiona o modelo de educação tradicional, padronizada e conteudista, da escola que funciona como uma prisão e que forma o aluno de maneira passiva — do ensino fundamental ao superior — que, segundo ele, teve uma proliferação de cursos medíocres nos últimos 15 anos.

Além do talk show, o EXAME IN conta com uma cobertura sobre as notícias mais quentes do mercado, bastidores e análises. Cadastre-se grátis e receba os alertas no e-mail

O empreendedor, que fundou a Ânima a partir da aquisição de uma faculdade com 3.000 alunos, também comenta o impacto e o legado da pandemia no setor. Na sua visão, o conteúdo vai deixar de ser fim para se transformar em meio, quebrando as paredes da escola, conectando alunos a diferentes realidades e conhecimentos, por meio da tecnologia.

Castanho fala ainda sobre seu sonho de transformar o Brasil por meio da educação e sobre a revolução urgente e necessária no modelo do setor. O futuro, para ele, está em um modelo híbrido, fluido e integrado, dando ao professor o papel de mediador e, ao aluno, o papel de protagonista do seu aprendizado e da sua história, transformando o sistema de ensino em um ecossistema de aprendizado.

Antes do fundador do Grupo Ânima, estiveram no programa Abilio Diniz (GPA), Felipe Miranda (Empiricus), Eduardo Mufarej (GK Ventures), Augusto Lins (Stone), além da dupla de fundadores da OpenCo, Sandro Reiss e Rafael Pereira e de Fersen Lambranho, presidente do conselho de administração da GP Investimentos e da G2D. O último episódio a ir ao ar foi com Rodrigo Abreu, presidente da Oi. Todas essas entrevistas anteriores estão abertas no canal da EXAME no YouTube.

Com apresentação da jornalista Graziella Valenti, repórter especial e responsável pelo EXAME IN, o programa receberá grandes personalidades para um bate-papo descontraído sobre os principais desafios, aprendizados e oportunidades do mercado brasileiro em suas áreas de atuação.

O que é o EXAME IN

A estreia do programa vem para complementar a produção de conteúdos do EXAME IN, a butique digital de notícias de negócios da EXAME e que conta também com uma newsletter desde março do ano passado. Comandada por Graziella, a Newsletter tem o objetivo de fornecer acesso a informações sobre mercado de capitais, negócios, startups e macroeconomia em primeira mão.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Continua após a publicidade
Ânima bate consenso com lucro recorde no 1º tri; alavancagem cai abaixo de 3x

Ânima bate consenso com lucro recorde no 1º tri; alavancagem cai abaixo de 3x

Cogna foca em reduzir dívida e fica mais perto da geração de caixa de R$ 1 bi

Cogna foca em reduzir dívida e fica mais perto da geração de caixa de R$ 1 bi