Logo Exame.com
Benefícios

Startup de benefícios flexíveis Caju recebe aporte de R$ 45 milhões

A rodada série A da empresa foi liderada pelo Valor Capital Group, Caravela Capital e Volpe Capital

Eduardo del Giglio e Renan Mendes, fundadores da Caju: a empresa conquistou clientes como Loft e Rappi oferecendo benefícios como vale alimentação e refeição em um único cartão
 (Caju/Divulgação)
Eduardo del Giglio e Renan Mendes, fundadores da Caju: a empresa conquistou clientes como Loft e Rappi oferecendo benefícios como vale alimentação e refeição em um único cartão (Caju/Divulgação)
CI

Carolina Ingizza

4 de agosto de 2021 às 05:00

Em um mercado de trabalho cada dia mais competitivo, a busca por benefícios que atraiam e retenham candidatos é uma demanda urgente do RH brasileiro. De olho nesse filão de mercado, startups de benefícios flexíveis como a Caju surgiram e não param de crescer. A brasileira acaba de captar um aporte de R$ 45 milhões em sua rodada série A, liderada pelo Valor Capital Group, Caravela Capital e Volpe Capital. Os fundos Picus Capital, FJ Labs e Clocktower Technology também participaram da rodada.

Fundada em 2020, a Caju chegou ao mercado condensando em um único cartão Visa os vale alimentação, refeição e transporte que as empresas clientes fornecem aos funcionários. O negócio foi estruturado pelos sócios Eduardo del Giglio e Renan Mendes, que se conheceram no programa de residência do Canary — um dos primeiros fundos investidores da empresa, ao lado do Valor Capital Group.

A startup nasceu na esteira de uma mudança relevante na indústria de benefícios. As pioneiras nessa modalidade de uso no Brasil são a Vee Benefícios, de 2016, que captou R$ 200 milhões de reais após um processo de fusão com a francesa Swile, e a Flash Benefícios, atual líder de mercado, com mais de 200 mil vidas atendidas, que levantou cerca de R$ 170 milhões com investidores ao longo de 750 dias de operação. Hoje, até mesmo o Santander explora o segmento, com a Ben.

Para o usuário final, a principal vantagem dos benefícios flexíveis é poder usar a verba disponibilizada pela empresa em qualquer estabelecimento comercial, já que é um cartão de crédito comum. Além disso, as startups do setor costumam permitir que os clientes determinem pelo aplicativo quanto querem gastar com cada modalidade de uso — em um mês com home office, a verba do transporte pode ser transferida para a comida.

Por ter sido investida logo no começo pelo Canary e pela Valor, a Caju se aproximou do mercado de tecnologia e conquistou startups como Loft, Gympass, Wildlife, Olist e Rappi como suas primeiras clientes. Um ano depois, nomes da indústria tradicional, como a varejista Dafiti e a indústria de rolamentos SKF, já figuram entre o portfólio. “A Caju está crescendo exponencialmente e tem o potencial de se tornar agente transformador do mercado”, diz Antoine Colaço, sócio-diretor da Valor Capital, em nota.

A empresa, que tinha 1.000 clientes e 50.000 usuários em janeiro deste ano, tem a ambição de chegar a 1 milhão de pessoas até o final de 2022. Para isso, planeja investir os milhões recebidos agora para ampliar seu portfólio de produtos. O objetivo, segundo disse o cofundador e presidente Eduardo del Giglio ao EXAME IN, é expandir a oferta de soluções para o cliente final, que usa o cartão no dia a dia. Até dezembro, o quadro de 40 funcionários deve dobrar, com contratações principalmente nas áreas de tecnologia, produto e design.

O primeiro passo nessa expansão de portfólio foi dado em junho, com o lançamento da frente de seguros em parceria com a insurtech 180º Seguros. Agora, além do cartão de benefícios flexíveis, a Caju oferece às empresas um seguro de vida com assistência de saúde e um seguro de proteção contra roubo para o cartão de benefícios.

Segundo o presidente, o próximo produto, que deve ser lançado ainda em agosto, é um sistema para o RH gerir verbas de equipes. Depois, está nos planos o lançamento de produtos de gestão e crédito. “Nosso plano é que um funcionário recém-contratado de uma empresa cliente receba o nosso cartão em casa, consiga definir sozinho os beneficiários do seguro de vida, escolha planos de previdência, veja suas opções de investimento e saiba que pode adiantar o salário dos dias já trabalhados”, diz o fundador.

Do lado do RH, a startup quer aproveitar o relacionamento intenso com os usuários, que usam o aplicativo cerca de quatro vezes por semana, para gerar informações sobre a satisfação de cada equipe e poder ajudar a reduzir a saída de empregados. "Ninguém muda de emprego pelo benefício, mas ele ajuda a construir a proposta de valor de uma empresa", diz Del Giglio.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Continua após a publicidade
Na Méliuz, redução de capital tem cheiro de reprise de GetNinjas

Na Méliuz, redução de capital tem cheiro de reprise de GetNinjas

Em crescimento acelerado, Mercado Livre vai colocar mais R$ 23 bilhões na operação brasileira

Em crescimento acelerado, Mercado Livre vai colocar mais R$ 23 bilhões na operação brasileira