Logo Exame.com
Fusões e Aquisições

Solví e Braskem se unem em JV de gestão de resíduos de R$ 1,4 bi

Companhia combinada fará tratamento hídrico, gestão de resíduos industriais e atendimento emergencial e nasce com R$ 750 milhões de faturamento

Solví e Braskem: joint-venture nasce com geração de caixa para fazer frente à necessidade de investimentos, diz CEO da Solví
Solví e Braskem: joint-venture nasce com geração de caixa para fazer frente à necessidade de investimentos, diz CEO da Solví

13 de junho de 2024 às 18:46

Maior empresa industrial brasileira, a Braskem está se unindo à Solví, uma das líderes em tratamento de resíduos do país, para criar uma joint venture para gestão de resíduos industriais que já nasce com faturamento de R$ 750 milhões e tem valor de empresa (equity + dívida) de R$ 1,4 bilhão.

A JV vai unir controladas das duas companhias. Do lado da Solví, serão a GRI, que faz gerenciamento total dos resíduos dentro do site dos clientes, e a Emergencial, de resposta a acidentes ambientais. Da Braskem, virá a Cetrel, empresa responsável pelo tratamento e disposição dos efluentes e resíduos industriais, monitoramento ambiental e fornecimento de água para uso industrial das plantas da Companhia no Polo Petroquímico de Camaçari (BA).

Dona de 63,7% da Cetrel (o restante do capital da companhia pertence ao governo baiano e a outras companhias do polo de Camaçari), a Braskem vinha procurando um sócio de confiança para o negócio, que também é bastante forte em consultoria para empresas de São Paulo e Rio de Janeiro.

“O objetivo é constituir um líder no segmento do serviço industrial”, conta o CEO da Solví, Celso Pedroso. A ideia é também a de que a capilaridade da GRI ajude a nacionalizar a expertise da Cetrel. “Será um player exclusivo e único, porque ninguém tem uma solução do tipo de tratamento hídrico, gestão de resíduos e atendimento emergencial”, diz.

Atualmente, os maiores mercados da GRI são as indústrias automobilísticas, de bens de consumo e mineração, mas também cresce em mercados de óleo e gás. Criada há 25 anos, está em mais de 16 Estados. Já a Emergencial é mais nova, de 2022, mas tem crescido em ritmo acelerado, de acordo com o CEO.

No mercado, a concorrente mais próxima é a Ambipar, que faz gestão de resíduos industriais e opera em resposta a acidentes ambientais por meio da Response, um braço de atuação que ganhou força especialmente a partir de 2022, após uma série de aquisições da companhia no pós-IPO. Vinda na safra de aberturas de capital de 2020, a ação da companhia sofreu uma desvalorização de 67% desde então, em meio ao azedume dos últimos anos do mercado de capitais.

De capital fechado, a Solví faz tratamento e destinação de resíduos e produção de energia verde, e foi a primeira empresa no Brasil a negociar créditos de carbono de aterros sanitários. Em julho vai estrear a primeira de duas plantas de tratamento de biogás para produção de biometano, com previsão de produção de mais de 1 milhão de metros cúbicos por dia. Com faturamento de R$ 3,5 bilhões, a companhia atua também no Peru e na Argentian e é, desde 2019, uma das investidas do fundo australiano Macquarie, que detém cerca de um terço do negócio.

No casamento entre GRI, Emergencial e Cetrel, o controle do negócio ficará com a Solví. A Braskem passará a deter 49,9% da Cetrel e Solví ainda terá pouco 50,1%. Para essa composição, a Solví vai pagar R$ 284 milhões, sendo R$ 199 milhões no fechamento da operação e R$ 85 milhões em até um ano.

Não serão necessários investimentos adicionais, de acordo com Pedroso, pois a empresa já nasce com faturamento robusto e capacidade de geração de caixa forte para fazer frente ao seu crescimento.

A operação ainda precisa de aprovação no Conselho de Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e a previsão é de que seja concluída ainda no segundo semestre deste ano.

A Solví foi assessorada pela CF Partners, do ex-CEO da Braskem, Carlos Fadigas.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.

Continua após a publicidade
Com IFC e BID, Natura capta R$ 1,33 bi para ampliar uso de bioingredientes da Amazônia

Com IFC e BID, Natura capta R$ 1,33 bi para ampliar uso de bioingredientes da Amazônia

Não deu para a Allos: Iguatemi e fundo BB compram fatia do Shopping RioSul

Não deu para a Allos: Iguatemi e fundo BB compram fatia do Shopping RioSul