Logo Exame.com
Empresas

“Não estamos fazendo um bom trabalho para conter aquecimento global”, diz CEO da Raízen

Mussa e CEOs da Suzano, Embraer, Tupy e JBS coordenam grupos de trabalho do B20, braço de negócios do grupo das 20 maiores economias do mundo

Mussa: Executivo quer tirar ideias do B20 do papel e transformá-las em ação  Foto: Leandro Fonseca/Exame (Leandro Fonseca/Exame)
Mussa: Executivo quer tirar ideias do B20 do papel e transformá-las em ação Foto: Leandro Fonseca/Exame (Leandro Fonseca/Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

29 de janeiro de 2024 às 21:44

As principais economias globais e as organizações privadas não estão fazendo um bom trabalho para desacelerar os impactos das mudanças climáticas. A análise é Ricardo Mussa, CEO da empresa Raízen. “Ano passado foi o mais quente até agora e o ambiente suplica por mudanças.”

Mussa encabeça um dos grupos de trabalho do B20 Brasil, lançado nesta segunda-feira, 29, na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), no Rio de Janeiro. Desde a criação do B20, braço de negócios do G20, essa é a primeira vez que o Brasil assume a coordenação. “Nas edições passadas do B20, eu vi muitas boas ideias, mas ainda tem muita dificuldade em colocar isso em ação. Então os objetivos [agora] são para colocar tudo em ação.”

Segundo o executivo, o desafio é fazer o trabalho em escala global. “Vejo muitas iniciativas que estão sendo feitas na Europa e nos Estados Unidos que não são tão óbvias. Queremos criar uma vitrine de ideias para o mundo. Sinto que estamos no momento certo para tomar as iniciativas”, diz Mussa.

Nos grupos de trabalho do B20, o presidente da Raízen é acompanhado de outros executivos de grandes empresas como Walter Schalka, CEO da Suzano e Gilmar Tomazoni, da JBS. “Até 2032 veremos um crescimento mais forte no comércio do sul global, porque o comércio entre o sul e o norte vai crescer de forma mais lenta. Esses indicadores sugerem uma tendência positiva, oferecendo uma oportunidade de crescimento. É preciso, no entanto, um sistema global justo e aberto”, diz Francisco Gomes Neto, CEO da Embraer.

Um dos desafios para a longevidade das empresas e a sustentabilidade da economia global passa pela acessibilidade das ferramentas de inteligência artificial. “O desenvolvimento rápido da tecnologia e a forma como ele facilita novos produtos e modelos de negócios pode ajudar a enfrentar esses desafios. Mundo físico e digital devem ser encarados como uma coisa só”, diz o CEO da Tupy, Fernando Rizzo, que coordena os trabalhos do grupo de tecnologia.

O representante do Brasil no B20 é Dan Ioschpee, presidente do Conselho de Administração da fabricante de autopeças Ioschpe-Maxion.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Oncoclínicas vai levantar R$ 1,5 bi ancorada pelo Master – a R$ 13 por ação

Oncoclínicas vai levantar R$ 1,5 bi ancorada pelo Master – a R$ 13 por ação

The message from the business elite at China's largest tech fair

The message from the business elite at China's largest tech fair