Logo Exame.com
Saúde

Itaú BBA vê melhora de margens e dá upgrade em Rede D’Or

Equipe do banco diz que o 'valuation' está mais acessível ao mesmo tempo que grupo se destaca como o melhor desempenho do setor

Rede D'Or: banco vê valuation mais acessível e empresa bem posicionada para M&As (Germano Lüders/Exame)
Rede D'Or: banco vê valuation mais acessível e empresa bem posicionada para M&As (Germano Lüders/Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

29 de abril de 2024 às 12:47

Na Rede D’Or, o pior já passou, segundo os analistas do Itaú BBA. O banco deu upgrade para a ação da empresa de saúde destacando um cenário de ganhos e sua posição de liderança no setor. 

Além de mudar a recomendação de neutro para compra, a equipe do banco elevou o preço-alvo de R$ 30 para R$ 33 – um prêmio de 28% sobre a cotação de fechamento na sexta-feira, 26. Hoje, a mudança na tese de investimento do BBA está impulsionando o desempenho do papel, que avançava 2,6% perto das 12h, para R$ 26,53. 

Quando rebaixou a ação em janeiro de 2023, o papel estava negociado a R$ 30 e a preocupação da equipe do BBA era de que o papel já estava caro em meio ao ceticismo quanto à adição de capacidade orgânica e um ambiente desfavorável para fusões e aquisições.

Mas ao beirar os R$ 26, a ação passou a ter um valuation “mais acessível”, segundo o relatório, já levando em conta um número um tanto conservador para 2025, num múltiplo de a 15x P/E.  

A visão mais otimista se deve, também, a uma indicação de que o ano de 2024 começou mais favorável ao setor hospitalar, depois de anos de pressão nos custos de serviços médicos para os planos e consequente aumento de prazos de pagamento – o que ainda não está completamente recuperado, mas em evolução.  

“O primeiro semestre de 2024 deve ver uma expansão decente da margem para a operação hospitalar, principalmente impulsionada por melhorias em materiais e medicamentos. Além disso, prevê-se que a rentabilidade melhore na SulAmérica, levando a um cenário de mais fôlego para ganhos”, escrevem os analistas. 

Embora o ambiente ainda seja de recuperação para o setor de saúde, a Rede D'Or se destaca como uma das poucas empresas com bom desempenho, o que ressalta a importância dos líderes do setor em tais cenários.

É por isso que, para o banco, ela é o player mais óbvio para potenciais operações de fusão e aquisição que devem acontecer este ano. Em relatório recente, o banco apontou o grupo como o candidato de maior potencial para levar hospitais da Dasa e da Rede Américas, da Amil, caso eles venham a ser colocados à venda, por exemplo.  

Além disso, a equipe também diz estar ganhando confiança na entrega de adições de capacidade mais robustas em 2024, com os principais projetos em áreas metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Recife avançando conforme planejado. 

A melhoria da percepção vem, também, acompanhada do reconhecimento de que ainda há incertezas. Segundo a equipe, uma das lições vindas ao longo desse período é de que as adições líquidas orgânicas de leitos operacionais não corresponderam às expectativas do mercado em 2023.  

A expectativa mais alta foi resultado de uma onda de descredenciamento de algumas cooperativas médicas, como aconteceu com a Unimed, mas que deve ser um movimento menos intenso em 2024 em comparação a 2023.

“De qualquer forma, vemos nossa projeção de adição líquida de 400 leitos em 2024 já deixando espaço para um eventual contratempo na acreditação no ano. Além disso, não esperamos que o cenário de recebíveis prolongados pelos pagadores e maiores glosas melhorem tão cedo”, reconhecem.  

Ainda assim, a equipe do banco vê uma combinação de uma boa expansão da margem Ebitda nos serviços hospitalares e a melhoria contínua da inflação médica em SulAmérica, “o que vai proporcionar um crescimento de lucro satisfatório a curto prazo.” 

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Na corrida da IA, o Brasil pode entrar no mapa dos data centers

Na corrida da IA, o Brasil pode entrar no mapa dos data centers

Separada da Coty, Wella Brasil triplica crescimento e 'exporta' CEO

Separada da Coty, Wella Brasil triplica crescimento e 'exporta' CEO