Logo Exame.com
Research

Goldman Sachs rebaixa WEG para 'venda' e dá 'compra' para Localiza e Rumo

Banco revisou tese de investimento dos papéis de infraestrutura e bens de capital para enfrentar ‘turbulências de mercado’; CCR foi de 'compra' para 'neutro'

WEG: perspectiva é de crescimento mais fraco, diz Goldman Sachs
WEG: perspectiva é de crescimento mais fraco, diz Goldman Sachs
Raquel Brandão

Raquel Brandão

5 de junho de 2024 às 15:36

Em um movimento estratégico para enfrentar as recentes turbulências do mercado, o Goldman Sachs revisou suas teses de investimento em setores-chave de infraestrutura e bens de capital no Brasil.

O ajuste é uma resposta à volatilidade do mercado, em que taxas reais estão aumentando no acumulado do ano e o Ibovespa registrando uma queda de 9%. Para isso, o banco resolveu concentrar suas apostas em papéis cujas expectativas de lucro já estão mais ajustadas e que estão negociando a múltiplos atraentes.

Esse realinhamento inclui a elevação da recomendação de Rumo e Localiza para "compra" e o rebaixamento de CCR para "neutro" e de WEG, um dos papéis mais comuns nas carteiras defensivas, para "venda".

Para a locadora de veículos Localiza, a equipe de sell side do Goldman Sachs vê uma oportunidade de recuperação da ação, que teve um desempenho inferior ao do mercado, com uma queda de 33% no acumulado do ano. Essa performance fraca reflete o aumento das taxas de juros e uma perspectiva mais desafiadora para o mercado de carros usados, o que diminuiu as expectativas de lucro da empresa.

Mesmo com um cenário operacional adverso, o Goldman Sachs vê uma assimetria positiva nas ações. Com a estabilização recente dos preços de carros novos e usados, a empresa pode estar próxima de um ponto de inflexão na depreciação de seus ativos. A avaliação atual da Localiza é considerada atraente, com um múltiplo P/L de aproximadamente 17,6 vezes o lucro anualizado para a projeção do segundo trimestre de 2024. O banco, porém, reduziu o preço-alvo de R$ 60 para R$ 59,20.

Já para a Rumo a confiança do banco é um operacional consistente, com potencial de crescimento da empresa. A análise indica que, apesar das adversidades macroeconômicas, a empresa está “bem-posicionada para capitalizar sobre sua infraestrutura robusta e uma demanda constante por serviços de logística no Brasil”.

Além disso, a visibilidade sobre os retornos dos novos investimentos melhorou após o aumento significativo do EBITDA nos últimos anos e a perspectiva da safra também está mais positiva em relação às expectativas do início do ano. Com a ação negociando a uma avaliação menos exigente, o banco acredita haver espaço de upside. A equipe elevou o preço-alvo de R$ 24,50 para R$ 25,50.

Na outra ponta, a WEG, de motores elétricos, deve ter um crescimento do lucro líquido abaixo da média histórica para os próximos anos, enquanto o papel negocia com múltiplos de preço/lucro ligeiramente acima da média histórica. A expectativa é de um crescimento anual composto (CAGR) de apenas 5% entre 2023 e 2026, significativamente abaixo dos 22% observados entre 2011 e 2023.

“Essa desaceleração é atribuída ao aumento significativo do tamanho da empresa, o que torna mais difícil manter os níveis de crescimento anteriores, e a maturação do segmento de renováveis, especialmente a geração solar”, escrevem os analistas. No entanto, o banco elevou o preço-alvo de R$ 38,80 para R$ 40.

Na CCR, cuja recomendação passou de compra para neutro, e equipe afirma que a empresa está oferecendo retornos médios (spread de taxa interna de retorno em linha com a média histórica) juntamente com uma menor exposição relativa às taxas de juros e um impacto potencialmente limitado na avaliação de novos projetos.

“Embora reconheçamos a alocação disciplinada de capital da empresa, que pode gerar retornos positivos em novos projetos, notamos que o tamanho atual do portfólio da empresa limita o impacto significativo de um único projeto”, escrevem, acrescentando que, na avaliação atual, a ação não tem espaço para uma correção de valuation significativa. O preço-alvo foi de R$ 15,30 para R$ 13,60.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Negociação de fatia do Shopping Rio Sul muda de rumo e Allos sai de cena — ao menos por enquanto

Negociação de fatia do Shopping Rio Sul muda de rumo e Allos sai de cena — ao menos por enquanto

Da celulose ao tecido, a costura da Suzano para entrar (de vez) no mercado têxtil

Da celulose ao tecido, a costura da Suzano para entrar (de vez) no mercado têxtil