Logo Exame.com
Breaking NewsFusões e Aquisições

Frasle compra empresa de autopeças mexicana por R$ 2,1 bi, sua maior aquisição da história

O movimento coloca a fabricante de autopeças no mapa do mercado global em meio ao movimento de nearshoring; empresa estima R$ 300 milhões de Ebitda incremental em cinco anos

Frasle: plano é ter cada vez mais receita protegida com internacionalização (Alex Battistel/Divulgação)
Frasle: plano é ter cada vez mais receita protegida com internacionalização (Alex Battistel/Divulgação)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

24 de junho de 2024 às 19:10

A fabricante de autopeças Frasle Mobility, do grupo Randoncorp, está anunciando a maior aquisição da sua história. Vai pagar R$ 2,1 bilhões pela mexicana Kuo Refacciones, de autopeças do grupo de mesmo nome que também atua em outros setores.

O movimento consolida a Frasle no mapa do mercado global em meio ao movimento de nearshoring, que tem dado pujança à economia mexicana. A compra faz parte do plano batizado de Projeto Maia, que olha para um mercado de 55 milhões de veículos da frota mexicana, liderança na América Latina e acesso ao mercado consumidor dos Estados Unidos.

SAIBA ANTES: Receba as notícias do INSIGHT pelo Whatsapp

"Nosso objetivo é ter cada vez mais receita protegida pela exposição em mercadois internacionais", diz Anderson Pontalti, diretor operacional. A participação do mercado internacional passa de 36% para 55%.

Líder no México, a Kuo faturou R$ 1,4 bilhão em 2023, com um Ebitda ajustado de R$ 313 milhões e margem de 21%. Além de motores e freios das marcas TF Victor, Moresa e Fritec, é dona da marca de distribuição Dacomsa, uma das maiores do país.

"Moresa aqui é um nome de pistão, como Bombril é conhecida como palha de aço. Vemos muito potencial de expandir a Moresa pelo mundo", diz Pontalti. Além das plantas no Brasil e das aquisições de agora no México, a Frasle tem unidades nos Estados Unidos, China, Argentina, Índia e México. Com a compra, a Frasle passa a ter 13 fábricas e 10 centros de distribuição.

A aquisição representa 50% do valor de mercado da Frasle, e a operação adquiria não tem dívida. A operação saiu por um múltiplo de 7,3 vezes, numa das melhores condições de negócio já feito pela Frale e a Randon. A transação será paga parte por caixa e parte por dívida.

A estrutura é dividida em três bolsos, cerca de R$ 300 milhões vêm do follow-on feito em 2022, outros R$ 750 milhões devem ser captado no Brasil e R$ 1 bilhão deve ser captado para fazer o uso de benefício tributário, já que a empresa vem sem dívida. Já a alavancagem financeira da Frasle deve ficar próxima de 1,3x após aquisição.

No mesmo ano, a Frasle registrou R$ 3,85 bilhões de receita e R$ 732 milhões de Ebitda. As cifras, destaca a empresa, representam um patamar alcançado após ganho de escala com a compra da Nakata, em 2019.

"Replicamos o que fizemos com a Nakata, o modelo será exatamente o mesmo", diz o CEO, Sérgio Carvalho. Agora, com a Kuo, a expectativa da Frasle é de que em cinco anos, as sinergias tragam um Ebitda incremental de cerca de R$300 milhões, que deve vir principalmente do lançamento de novos produtos e em parte na redução de custos.

"Estamos em uma nova rota, suportada por uma estratégia assertiva que reforça sinergias, amplia a cobertura geográfica, o mix de produtos, outsourcing, os ganhos de escala e a otimização na utilização dos bens de produção", diz na companhia em apresentação ao mercado feita logo após o anúncio, na noite desta segunda-feira, 24.

A aquisição depende de aprovações regulatórias, incluindo aval do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). 

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Inter tem novo CEO no Brasil; João Vitor Menin segue CEO global

Inter tem novo CEO no Brasil; João Vitor Menin segue CEO global

A aposta de Bob Iger no futebol — e no novo momento dos esportes femininos

A aposta de Bob Iger no futebol — e no novo momento dos esportes femininos