Logo Exame.com
Saúde

EXCLUSIVO: Amil avalia venda de hospitais e carteira de planos de saúde no Nordeste

Sob o comando de Junior, operadora quer focar sua atuação em São Paulo e no Rio de Janeiro e sonda interessados pelos seus hospitais de Fortaleza, Natal e Recife

Amil: Fundador da Qualicorp, José Seripieri Junior comprou a Amil no fim do ano passado por R$ 11 bi, entre equity e dívidas (Amil /Divulgação)
Amil: Fundador da Qualicorp, José Seripieri Junior comprou a Amil no fim do ano passado por R$ 11 bi, entre equity e dívidas (Amil /Divulgação)
Natalia Viri

Natalia Viri

7 de maio de 2024 às 11:13

A Amil começou a sondar o mercado para uma potencial venda de suas operações na região Nordeste, com o objetivo de focar sua atuação em São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal, fontes com conhecimento do assunto disseram ao INSIGHT.

A companhia tem três hospitais na região: o Monte Klinikum, em Fortaleza, com 102 leitos; o Promater, em Natal, com 142 leitos; e  Santa Joana, em Recife, com 219 leitos.

A ideia é vender os hospitais e também a carteira de planos de saúde na região. As vendas podem acontecer de forma casada ou não.

Nas últimas semanas, a Amil tem sondado possíveis interessados nos ativos, mas ainda de maneira informal, sem um banco mandatado para a venda.

Esse é o primeiro movimento mais organizado para reestruturação da empresa desde que o empresário José Seripieri Junior comprou a Amil, no fim do ano passado, por cerca de R$ 11 bilhões – incluindo aí tanto R$ 2 bilhões em dinheiro quanto a assunção de dívidas.

Além de uma carteira de 5 milhões de vidas entre planos de saúde e dentais, a Amil também é dona da Rede Américas, que conta com 15 hospitais, a maior parte deles em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Desde que a Junior assumiu a Amil, o mercado vem se questionando qual será a estratégia do empresário para a companhia, que vem sofrendo principalmente por conta da carteira de planos de saúde individuais, que tem reajustes tabelados pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e se tornou um ralo de dinheiro, com sucessivos prejuízos ao longo dos últimos anos.

A venda dos hospitais e da carteira de planos daria fôlego para fortalecer o restante da operação, num momento de alta sinistralidade nos planos de saúde e de desafios para os prestadores de serviços hospitalares, cada vez mais espremidos por políticas mais restritivas das seguradoras e operadoras de saúde.

A Rede Américas opera de forma independente, sem verticalização com os planos da Amil, ainda que obviamente haja um bom alinhamento comercial entre as duas pontas que fazem parte da mesma empresa.

O momento, no entanto, não é dos mais propícios para a venda de hospitais. Diversos ativos estão no mercado, com poucos compradores dispostos a assinar os cheques. “É um buyer’s market, num momento em que há poucos compradores capitalizados para fazer as aquisições”, diz uma fonte que conhece de perto o setor. “E quem está capitalizado está esperando um momento mais propício de preço”.

De acordo com fontes ouvidas pelo INSIGHT, os hospitais da Amil já foram oferecidos para Unimeds locais: a de Recife é uma das cooperativas mais fortes do sistema e tem ampla presença no Norte e Nordeste. A Hapvida também é muito forte na região, mas atua numa faixa de preço mais baixa do que a Amil.

Procurada, a Amil disse apenas que “não comenta rumores de mercado”.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Natalia Viri

Natalia Viri

Editora do EXAME IN

Jornalista com mais de 15 anos de experiência na cobertura de negócios e finanças. Passou pelas redações de Valor, Veja e Brazil Journal e foi cofundadora do Reset, um portal dedicado a ESG e à nova economia.

Continua após a publicidade
Sabesp: Oferta será lançada amanhã; propostas para 2ª etapa saem dia 28

Sabesp: Oferta será lançada amanhã; propostas para 2ª etapa saem dia 28

Os investidores no páreo pela privatização da Sabesp

Os investidores no páreo pela privatização da Sabesp