• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

TALK SHOW: o extreme makeover da Iguá, agora uma das donas da Cedae

Companhia deve ter Ebitda de R$ 800 milhões neste ano, volume maios do que a receita do ano passado
Carlos Brandão, presidente da Iguá Saneamento: meta de quadruplicar a companhia (Reprodução/Exame)
Carlos Brandão, presidente da Iguá Saneamento: meta de quadruplicar a companhia (Reprodução/Exame)
Por Da RedaçãoPublicado em 07/03/2022 09:36 | Última atualização em 09/03/2022 07:07Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Em 2017, a gestora fundada por Paulo Mattos, IG4, comprou o controle da então CAB Ambiental dentro do processo de recuperação judicial da Galvão Engenharia, arrastada para dificuldades financeiras em função do avanço da Operação Lava-Jato. Quando assumiu o negócio, a geração de caixa medida pelo Ebitda estava abaixo de R$ 200 milhões. No ano passado, o indicador da agora Iguá Saneamento ficou em torno de R$ 350 milhões, com expansão do atendimento e saneamento das dívidas. Foram R$ 735 milhões em receita líquida em 2021.

Quatro anos depois, com aportes de capital que beiram os R$ 4 bilhões realizados pelos acionistas, a Iguá caminha para um Ebitda de R$ 800 milhões neste ano, em razão da vitória no Bloco 2 na licitação da Cedae, no Rio de Janeiro. Trata-se de um projeto de R$ 10 bilhões, sendo R$ 7 bilhões em outorga e R$ 3 bilhões de investimentos pelos próximos dez anos, mas especialmente nesses próximos três primeiros. O financiamento para o investimento já está todo equacionado, via emissão de ações, linhas de crédito e ainda geração própria de recursos.

E tem apetite para mais? "Eu brinco que quando cheguei na companhia, falei que iríamos quadruplicar o negócio. Até agora a gente só duplicou. Ou seja, só fizemos um terço da meta. Tem muito mais pela frente", afirma Carlos Brandão, presidente da companhia desde julho de 2020, em entrevista ao Talk Show do EXAME IN, conduzido pela jornalista Graziella Valenti.

Além de outros processos de licitação que deve participar, há rumores — que não são comentado pelos envolvidos — de que a Iguá pode vir a comprar a BRK Ambiental, que carrega dívidas pesadas e enfrenta dificuldade de fazer uma abertura de capital no preço almejado.

Brandão nem chega perto do tema. Mas nos bastidores comenta-se que a conversa existe, sim. Questionado sobre crescimento, o executivo se concentra na capacidade dos sócios de fornecer mais recursos para os projetos do negócio. "O legal é que nossos sócios têm interesse e têm apetite para investir mais, porque é um investimento alinhado com as necessidades atuariais deles: de longo prazo e gerador de dividendos", diz. Os dois maiores acionistas por meio do fundo gerido pela IG4, são os grupos canadenses AimCo e CPPI (Canada Pension Plan Investments).

Na conversa com o EXAME IN, Brandão contou como foi o processo de transformação da companhia e como deverá ser agora a execução do projeto da Cedae.

Além do presidente da Iguá, já estiveram no programa Abilio Diniz (GPA), Daniel Silveira (Avon), Felipe Miranda (Empiricus), Eduardo Mufarej (GK Ventures), Augusto Lins (Stone), Rodrigo Abreu (Oi), Cláudia Woods (WeWork), além da dupla de fundadores da OpenCo, Sandro Reiss e Rafael Pereira e de Fersen Lambranho, presidente do conselho de administração da GP Investimentos e da G2D. Também passaram pela mesa de conversa do programa Marcelo Barbosa, presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM),  Daniel Castanho, fundador e presidente do conselho de administração da Ânima Educação, Daniel Peres, fundador da Tropix, um market-place de NFTs de arte digitais, para destrinchar o metaverso, Ricardo Mussa, presidente da Raízen, e Ricardo Faria, o empresário que é o maior emergente do setor de agronegócios do país.

O programa recebe grandes personalidades do mundo corporativo e financeiro para um bate-papo descontraído sobre os principais desafios, aprendizados e oportunidades do mercado brasileiro em suas áreas de atuação. Os episódios podem ser conferidos no canal da EXAME no Youtube e também no Spotify.

O que é o EXAME IN

O programa vem para complementar a produção de conteúdos do EXAME IN, a butique digital de notícias de negócios da EXAME e que conta também com uma newsletter desde março de 2020 (Cadastre-se aqui para receber o conteúdo no email). Comandada por Graziella, a newsletter tem o objetivo de fornecer acesso a informações sobre mercado de capitais, negócios e startups.

 

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.