Pátria alcança fatia de 5% na Ultrapar e mercado espera novas compras

Gestora de recursos entrou no negócio no ano passado, por meio de uma participação na holding Ultra S.A.

A Ultrapar, uma das holdings industriais mais tradicionais do mercado brasileiro, ganhou um novo sócio e com planos redobrados de participar da governança do negócio: a Pátria Investimentos. A gestora de fundos de participações investiu cerca de 700 milhões de reais na compra em bolsa de 3,95% das ações ordinárias da empresa, que está avaliada hoje em 20,8 bilhões de reais na B3. O negócio foi recebido como um casamento de tradições, já que a Pátria é uma das casas mais antigas de private equity no Brasil.

Os acionistas de mercado da Ultrapar — dona da distribuidora de combustíveis Ipiranga, da fabricante de especialidades químicas Oxiteno, da Ultragaz e da Ultracargo, e mais recentemente da rede farmácias Extrafarma — entenderam o movimento como o início de uma “parceria” societária maior. A aposta é que deve passar por um aumento da fatia comprada e uma atuação direta na gestão, tanto na eleição da administração como no futuro do portfólio de negócios controlados.

Consultadas, Ultrapar e Pátria preferiram não comentar a notícia do dia. Ambas são conhecidas por serem excessivamente discretas na relação com o mercado.

A aquisição anunciada hoje não é o primeiro movimento da Pátria Investimentos sobre a Ultrapar, grupo que consolidou uma receita líquida de 89,3 bilhões de reais no ano passado. Em 28 de novembro, a gestora assumiu uma posição em debêntures conversíveis na holding controladora da Ultrapar, a Ultra S.A. A gestora exerceu a conversão desses títulos, o que lhe deu uma participação de 5,4% nessa holding — equivalente a 1,08% da Ultrapar. A investida foi construída ao lado da família fundadora, os Igel.

No total, portanto, a participação da Pátria direta e indiretamente na Ultrapar soma 5,03%. Apesar de pequena, a fatia comprada no fim de 2019 confere à gestora uma posição privilegiada na governança, pois a coloca na Ultra S.A., que costurou um forte acordo de acionistas com a Parth. Juntas, as holdings — ambas da família Igel, mas de árvores diversas — somam perto de 29% da Ultrapar.

Ninguém que comprar uma fatia da Ultrapar em bolsa estará tão próximo dos acionistas de referência como a gestora de recursos. É desse acordo das holdings que sai a formação da chapa do conselho de administração da empresa. A composição atual foi eleita em 2019, com mandato até abril de 2021.

A Ultrapar encara o desafio de se reinventar. Há cerca de dois anos, o mercado tirou do grupo o prêmio de gestão que tinha, muito presente durante a gestão de Paulo Cunha — que mesmo sem ser controlador foi a cara da companhia durante anos. O conglomerado era percebido antes por ter um “toque de midas” na condução das operações.

Desde o fim de 2018, o mercado acompanha um namoro à distância entre Pátria e a companhia. Agora aposta que a gestora conseguirá fazer uma “pressão amigável” por mudanças mais velozes. No comunicado ao mercado sobre a fatia de 5% alcançada, a Pátria afirma que as compras em bolsa “reforçam sua intenção de contribuir com a governança da Ultra e da Ultrapar”. A gestora também afirma que “não há uma participação alvo definida.”

A Ultrapar já foi uma empresa de valor de mercado que oscilava entre 40 bilhões e 45 bilhões de reais na B3. A redução dessa avaliação é muito anterior à pandemia. Mas a covid-19, é fato, chegou em um momento que o preço havia mostrado alguma recuperação. Em fevereiro, a empresa estava avaliada em 28 bilhões de reais. A crise com o coronavírus, que impacta principalmente a operação da Ipiranga, gerou uma nova queda relevante nas cotações. A baixa na bolsa atraiu outras casas renomadas nacionais, o que ampliou a participação de investidores institucionais domésticos no capital da companhia.

 

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.