Investimentos: a virada da “Geração Z”

Raio X do Investidor Brasileiro, da ANBIMA, identifica maior diversificação de carteiras de investidores ‘Z’ e ‘milleniuns’

O aumento da participação das classes A e B e o alijamento da classe C dos mercados financeiros não inibiu a entrada de uma nova geração no mundo dos investimentos ou finanças pessoais . Em 2020, uma geração efetivamente digital surgiu, a “Z”. É isso o que mostra a pesquisa Raio X do Investidor Brasileiro realizada pela ANBIMA – Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais – em parceria com o Instituto Datafolha que será divulgada nos próximos dias. A sondagem ouviu, entre 17 de novembro e 17 de dezembro do ano passado, 3.408 pessoas das classes A, B e C economicamente ativas, que vivem de renda ou são aposentadas.

“A geração ‘Z’ representa uma virada. Até a 'geração Millenium' aplicações são feitas por meios digitais, mas as decisões sobre onde colocar o dinheiro precisa da segurança presencial ou um aconselhamento, uma orientação. Havia uma separação entre o processo de escolha do investimento e sua execução. Essa sim, por meios digitais. Mas os investidores da geração 'Z' parecem confortáveis com indicações vindas de algoritmos e chatbots e eles também assumem mais riscos, assim como os milleniuns", afirma Marcelo Billi, superintendente de Comunicação, Certificação e Educação de Investidores da ANBIMA.

Para o executivo, essas duas gerações são as que apresentam carteiras mais diversificadas e assumem mais riscos, possivelmente porque são mais jovens. Billi acredita que pode estar equivocada a ideia corrente de que a geração "Millenium" é digital. Mas essa percepção, reconhece, deverá ser confirmada quando os integrantes da geração ‘Z’, conceitualmente hoje com até 24 anos, chegarem aos 30 anos. “Por ora, a renda está concentrada nos ‘milleniuns’ e nos ‘boomers’. Os ‘milleniuns’ estão na faixa etária de 25 a 40 anos; a geração ‘X’, de 41 a 56; e os ‘boomers’, de 57 a 75 anos.”

O Raio X do Investidor Brasileiro informa que 9,5 milhões de brasileiros pertencem à geração ‘Z’, 13,4 milhões à ‘Millenium’, 8,7 milhões à geração ‘X’ e 5,4 milhões são ‘boomers’. A pesquisa revelou que, em 2020, 50% da geração ‘Z’ economizaram. Esse também foi o grupo geracional que mais conteve seus gastos, 27,7%, ante 20,3% do grupo mais populoso, os milleniuns.

A geração ‘Z’ foi a que mais evitou compras desnecessárias em 2020, 17%, ante 7,8% dos ‘milleniuns’. Os ‘Z’ também controlaram bem suas despesas, guardaram parte do salário. Quanto ao conhecimento sobre investimentos financeiros, 51,8% da geração ‘Z’ não conhecem nada, diz a pesquisa, enquanto 43,1% dos ‘milleniuns’ estão na mesma condição. Talvez por essa razão, 21,1% da geração ‘Z’, a que está no fim da fila da vacina, apliquem em caderneta de poupança. Em contraponto, esses jovens investidores são os que mais investem em ações e moedas digitais e os que menos aplicam em fundos de investimento.

Em entrevista ao EXAME IN, Marcelo Billi informou que a ANBIMA já começou a trabalhar na quinta edição do Raio X do Investidor Brasileiro que terá a pesquisa de campo entre novembro e dezembro deste ano. E a próxima sondagem, também a ser realizada com o Datafolha, terá recortes ainda mais relevantes que a atual.

“Temos um histórico de quatro anos, nacional, com os investidores, montamos um grupo de trabalho com representantes dos associados e vamos produzir índices. Temos novas questões a colocar. Os influenciadores digitais devem entram na próxima pesquisa, assim como avaliações que os investidores têm de risco e retorno. Vamos conferir se o aspecto geracional será reforçado. Na pesquisa atual, a grande virada veio da geração ‘Z’ que usa como fonte a internet e o uso de aplicativos.”

 Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também