• AALR3 R$ 20,17 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,00 0.95
  • ABCB4 R$ 16,64 -0.06
  • ABEV3 R$ 14,08 -0.35
  • AERI3 R$ 3,56 -1.39
  • AESB3 R$ 10,82 1.88
  • AGRO3 R$ 31,15 0.13
  • ALPA4 R$ 21,37 2.59
  • ALSO3 R$ 19,05 0.21
  • ALUP11 R$ 27,12 -0.70
  • AMAR3 R$ 2,55 6.25
  • AMBP3 R$ 31,03 2.41
  • AMER3 R$ 22,08 -3.50
  • AMZO34 R$ 65,93 3.39
  • ANIM3 R$ 5,51 2.80
  • ARZZ3 R$ 79,64 -0.20
  • ASAI3 R$ 15,67 -1.45
  • AZUL4 R$ 20,16 -2.56
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,46 -0.90
  • AALR3 R$ 20,17 -0.64
  • AAPL34 R$ 68,00 0.95
  • ABCB4 R$ 16,64 -0.06
  • ABEV3 R$ 14,08 -0.35
  • AERI3 R$ 3,56 -1.39
  • AESB3 R$ 10,82 1.88
  • AGRO3 R$ 31,15 0.13
  • ALPA4 R$ 21,37 2.59
  • ALSO3 R$ 19,05 0.21
  • ALUP11 R$ 27,12 -0.70
  • AMAR3 R$ 2,55 6.25
  • AMBP3 R$ 31,03 2.41
  • AMER3 R$ 22,08 -3.50
  • AMZO34 R$ 65,93 3.39
  • ANIM3 R$ 5,51 2.80
  • ARZZ3 R$ 79,64 -0.20
  • ASAI3 R$ 15,67 -1.45
  • AZUL4 R$ 20,16 -2.56
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,46 -0.90
Abra sua conta no BTG

Fintech Belvo capta R$ 225 mi de olho no open banking do Brasil

A startup conquistou fundos como Future Positive, FJ Labs, Maya Capital e Kaszek, além de investidores-anjo como David Vélez, fundador do Nubank
Albert Morales, diretor da Belvo no Brasil: a empresa, fundada em 2019, tem operações no Brasil, México e Colômbia (Divulgação/Belvo)
Albert Morales, diretor da Belvo no Brasil: a empresa, fundada em 2019, tem operações no Brasil, México e Colômbia (Divulgação/Belvo)
Por Carolina IngizzaPublicado em 01/06/2021 09:30 | Última atualização em 01/06/2021 12:15Tempo de Leitura: 5 min de leitura

Dois anos atrás, quando a América Latina dava seus primeiros passos em direção ao open banking, dois espanhóis com experiência no mercado financeiro decidiram empreender na região. Pablo Viguera e Oriol Tintoré, que se conheceram na operação da Verse, uma espécie de PicPay espanhola, fundaram a fintech Belvo em meados de 2019. O negócio começou a operar no México ainda em 2019, depois rumou para a Colômbia e, em outubro do ano passado, desembarcou no Brasil — sua principal aposta hoje.

No Brasil, o open banking é uma das iniciativas do Banco Central para gerar mais competição no mercado financeiro. O modelo parte do pressuposto de que o dono de dados e de informações disponíveis em contas, inclusive bancárias, é o cliente, não a instituição. O open finance, então, permite que o usuário compartilhe essas informações com outras entidades: aplicativos de organização e gestão financeira, bancos, corretoras, cooperativas de crédito, fintechs.

Para que esse compartilhamento de informações funcione, empresas como a Belvo existem. Ela construiu ao longo dos últimos dois anos infraestruturas que permitem a conexão entre bancos e fintechs. Mas seu grande diferencial é ter desenvolvido tecnologias que ajudam as instituições financeiras clientes a navegar pelo mar de dados e interpretá-los.

Com os planos do Banco Central do Brasil para o open banking caminhando — a primeira fase foi iniciada em fevereiro e a segunda, em que clientes poderão solicitar o compartilhamento de seus dados, está prestes a começar agora em julho — a Belvo foi buscar um investimento no mercado para acelerar o desenvolvimento do seu produto.

A empresa anuncia nesta terça-feira, 1º, ter captado um aporte de US$ 43 milhões (cerca de R$ 225 milhões) em sua rodada série A, que trouxe os investidores institucionais Future Positive (Pinterest, Square), Kibo Ventures (Flywire, Coverwallet) e FJLabs (Checkr e Recargapay), além de anjos como Sebastián Mejía, cofundador e presidente da Rappi, e Harsh Sinha, diretor de tecnologia da Transferwise.

Investidores anteriores, como Kaszek Ventures, Maya Capital, Venture Friends e David Vélez (fundador e presidente do Nubank) também participaram da rodada. Até então, a fintech havia levantado US$ 13 milhões em aportes.

“A Maya Capital fez seu primeiro investimento na Belvo no final de 2019 e, desde então, o time fez avanços significativos em sua solução, expansão internacional e carteira de clientes, já estando integrados com clientes relevantes como Mobills, Onze, Celero, Divibank e Clara. Sempre buscamos os times mais preparados para cada tese e temos convicção de que a Belvo é esse time, e que continuará a se solidificar como o principal player na América Latina”, diz Mônica Saggioro, cofundadora da gestora.

Foco no Brasil

Em entrevista ao EXAME IN sobre o aporte, Albert Morales, diretor da Belvo no Brasil, disse que cerca de 50% do capital recebido na série A será investido na operação brasileira. Apesar de ter começado a operar no país há seis meses, cerca de 30 dos seus 60 clientes já são daqui — e isso é só o começo. A projeção da empresa é que o open finance movimentará 9,8 bilhões de dólares no Brasil em 2022.

"Nosso principal desafio hoje são as contratações. Temos uma equipe de 70 pessoas com zero saídas, mas a captação de talentos no México e no Brasil tem sido complicada, há muita demanda por parte das empresas de tecnologia. Nosso objetivo é pelo menos dobrar o tamanho da equipe até o final do ano", diz Morales.

A busca por novos funcionários tem como objetivo acelerar o desenvolvimento do produto. Hoje, a empresa tem cerca de 40 conectores que a permitem coletar dados financeiros. No jargão dos programadores, tratam-se de APIs (sigla em inglês para Interface de Programação de Aplicação). Segundo Morales, boa parte dessa infraestrutura é voltada para pessoas físicas, mas agora a fintech precisa desenvolver o mesmo para as pessoas jurídicas. "A meta é duplicar o número de conectores", afirma o diretor.

Outro desafio do time de tecnologia será a construção do serviço de iniciação de pagamentos no Brasil e no México. Por aqui, esses novos serviços devem começar a operar em 30 de agosto, segundo o Banco Central, e a Belvo quer estar pronta para oferecer essa operação a seus clientes. A ideia é que mesmo empresas não sejam "donas" das contas possam comandar transferências de dinheiro mediante autorização do cliente, o que facilitaria, por exemplo, o envio de Pix por aplicativos de mensagens.

As metas ambiciosas da fintech devem mantê-la ocupada até o final do ano. De acordo com Morales, pelo menos até dezembro, a empresa não planeja entrar em outros mercados da América Latina. Em 2022, caso a regulação avance, a fintech considera expandir para Argentina, Chile e Peru.

Além da Belvo, outras fintechs disputam espaço no open banking brasileiro. As pioneiras são o Guiabolso, que desde 2014 oferece um aplicativo de gestão financeira, e o Gorila, que consolida carteiras de investimentos em bancos e corretoras, mas outras devem surgir. A era sem fronteiras financeiras está só no começo no país.

Assine a EXAME e acesse as notícias mais importantes em tempo real.

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

                              Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.