A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

Eike: Semana de raios e trovões na Justiça para planos com MMX e OSX

Justiça surpreende e tira estaleiro de recuperação judicial, mas manda vender complexo de Corumbá

Os últimos sete dias foram cheios de decisões para o Grupo X, do empresário e réu confesso Eike Batista. De forma absolutamente inesperada, a juíza Maria Cristina de Brito Lima deu por encerrado o processo de recuperação judicial da OSX. Terminou, com isso, a fase de acompanhamento  da execução do plano da empresa, aprovado e homologado em 2014, para pagar 6,5 bilhões de reais em dívidas. O projeto de estaleiro filhote da megalômana OGX (atual Dommo Energia) agora emerge da quebradeira do conglomerado, que ocorreu a partir de 2012.

O resultado é surpreendente. Mas, nem por isso, a vida será fácil. Os vencimentos começam a partir de 2025 e até lá será preciso encontrar novas fontes de renda ou um investidor que aporte recursos. São quatro anos para resolução.

Apesar de seu apetite para voltar à vida de empresário, Eike não conseguiu trocar a administração da OSX para colocar as mãos no negócio, dentro de seu projeto de retomar a influência e o domínio sobre suas controladas, após a homologação de seu acordo de colaboração premiada pelo Superior Tribunal Federal (STF). Credores e minoritários fizeram uma barreira.

Já na MMX, apesar de ter recobrado o domínio desde que trouxe de volta Joaquim Martino, com seu plano mirabolante que diz haver 300 milhões de dólares em riqueza enterrada no sistema Corumbá, o empresário sofreu um revés indireto, pelas mãos da Justiça.

A confusão na MMX está armada por completo. O juiz Paulo Assed Estefan, que cuida do processo de recuperação judicial da empresa, determinou nessa semana que seja feita uma nova avaliação de Corumbá. Mas não para a companhia explorar o complexo minerário, como promete e planeja Martino.

O juiz entende que o sistema deve ser vendido, como era a intenção da gestão anterior da empresa, prevista inclusive dentro do plano de recuperação judicial, para lidar com as dívidas da ordem de 600 milhões de reais — seja numa recuperação ou numa falência. A alienação deve ser feita por meio de um leilão, e não um negócio direto como se pretendia no passado. O plano de recuperação da MMX não foi aprovado pelos credores e a Justiça decretou a falência da companhia. A execução está suspensa e a análise do caso pelo tribunal  só deve ocorrer a partir de fevereiro de 2021.

Antes da chegada de Martino, a Vetorial Mineração, que arrenda o complexo por 500 mil dólares ao ano desde 2014, tinha interesse de comprar o sistema e havia feito uma proposta com valor entre 16 milhões de reais e 27 milhões de reais. Um laudo da Apsis, de 2014, apontava um valor de 14 milhões de reais para as minas.

Agora, Martino quer cancelar tudo o que a própria empresa já fez e declarou no passado: a intenção de venda, o arrendamento e ainda um distrato que foi feito e que permitiu à Vetorial um acordo para explorar a mina Emma. Estefan deu uma palhinha sobre o que pensa de toda essa reviravolta ao qualificar no despacho a troca de gestão e o anúncio de suas intenções como uma “tentativa de catarse”. Em seguida, afirmou que as empresas são figuras jurídicas diferentes de seus sócios e administradores e anular seus atos não é algo assim tão trivial.

Estefan fez um despacho que respondeu a diversos pedidos relacionados ao processo da empresa. Ele também decidiu por tirar o acesso direto da MMX a sua única fonte de receita: o tal arrendamento pela Vetorial, que a companhia gostaria de cancelar. Além de não ver irregularidade no contrato (como alega agora a nova gestão), o juiz determinou que o depósito dos valores seja feito em juízo. Para acessar os recursos, a MMX terá de prestar conta do uso.

A única iniciativa do juiz em linha com o pedido de Martino foi o cancelamento do distrato relacionado à mina Emma. A companhia, pelas mãos da gestão anterior, abriu mão do direito de arrendamento dessa unidade, que pertence ao empresário Nelson Chamma. A medida abriu caminho para a Vetorial arrendar diretamente a área. A decisão do juiz, porém, de nada serve ao novo presidente da MMX uma vez que Corumbá terá de ser vendido. Onde tudo isso vai dar, ainda não deu para entender.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também