André Esteves, do BTG Pactual, comprou 40% da oferta de ações da Estapar

Banqueiro, acionista da companhia há mais de uma década, havia oferecido garantia firme para colocação dos papéis

André Esteves, fundador do BTG Pactual (do mesmo  grupo controlador da EXAME), comprou 40% da oferta de ações da Estapar. A companhia estreou na sexta-feira na B3, após captar 345 milhões de reais com sua oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês), já considerando o lote suplementar. Os recursos levantados com a emissão foram integralmente para o caixa da empresa.

Com isso, o banqueiro, que fez o primeiro investimento na companhia de estacionamentos em 2009, manteve sua participação praticamente inalterada. Tinha 47,7% do capital total da Estapar antes da oferta e ficará com 46,4% ao fim da operação. As participações são por meio dos fundos Maranello e Valbuena. Esse último foi o veículo usado para as aquisições dentro do IPO. As informações constam do prospecto definitivo encaminhado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A ação da Estapar saiu no piso da faixa indicativa de preços para a oferta, que variava de 10,50 reais a 13 reais. A companhia foi à B3, em meio à crise do coronavírus, em busca de recursos para compor o pagamento de um compromisso da ordem de 600 milhões de reais com a prefeitura de São Paulo, em razão da vitória  na licitação para operar a Zona Azul da cidade — realizada no fim do ano passado. O contrato com a prefeito Bruno Covas foi assinado no fim da tarde desta terça-feira.

A operação, que contava com garantia firme de Esteves, foi considerada emblemática para o mercado por ter ocorrido em meio à crise, abrindo espaço para que empresas com histórias bastante específicas consigam acessar o bolso dos investidores. Antes da pandemia, já era plano da Estapar fazer seu IPO se ganhasse a concorrência pelas vagas da prefeitura. A diferença é que a colocação foi realizada em tamanho menor, coordenada pelo BTG Pactual, ao lado do Bradesco BBI, Santander e BB Banco de Investimentos.

A Estapar é a maior empresa brasileira de estacionamentos e alcançou faturamento de 1,3 bilhão em 2019. A segunda maior rede do setor tem receita anual de 280 milhões. A empresa tem 684 operações, com 396.400 vagas e está presente em 77 cidades, de 15 estados. Com a operação da Zona Azul, poderá ampliar a quantidade de vagas administradas em mais de 11%.

 

Suporte a Exame, por favor desabilite seu Adblock.