Logo Exame.com
Oi

V.tal fecha contrato com Axxel e já tem 30 operadoras regionais na carteira

Rede totalmente neutra muda modelo de negócios do setor, com nascimento de companhias de serviços digitais

Acesso banda larga por fibra: Brasil tem pouco menos de 25 milhões de domicílios com tecnologia de ultravelocidade (Getty Images/Getty Images)
Acesso banda larga por fibra: Brasil tem pouco menos de 25 milhões de domicílios com tecnologia de ultravelocidade (Getty Images/Getty Images)
GV

Graziella Valenti

1 de junho de 2022 às 11:44

A V.tal, empresa de infraestrutura de rede de fibra que nasceu na Oi, já tem 30 contratos com operadoras regionais de serviços de banda larga. A informação é do diretor comercial da empresa, Pedro Arakawa, em entrevista exclusiva ao EXAME IN.  O mais recente foi assinado com a Axxel, que inicia agora sua atividade com oferta para 12 cidades do Paraná.

A companhia de infraestrutura é a primeira de rede neutra do Brasil, ou seja, que vive exclusivamente de vender sua capacidade para operadoras do setor. "Estamos reforçando muito essa postura de neutralidade", enfatiza o executivo. O maior e principal contrato é com a própria Oi, que é minoritária da empresa com uma participação da ordem de 40%. O controle é detido por um fundo de investimento gerido pelo BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da Exame).

Inscreva-se no EXAME IN e saiba hoje o que será notícia amanhã. Cadastre-se aqui e receba no e-mail os alertas de notícias e das entrevistas quinzenais do talk show.

Pelo plano de investimento em andamento, a V.tal vai dobrar a quantidade de domicílios com rede passada, dos atuais 16 milhões, para 32 milhões ao fim de 2025. Somente na região onde a Axxel vai prestar serviço, são 1,4 milhão de casas com acesso à fibra.

Arakawa estima que o Brasil tem perto de 90 milhões de domicílios, entre residências e pequenos negócios. De acordo com o site Teleco, o país conta com 24,5 milhões de acessos de banda larga por fibra. As companhias chamadas de "competitivas", que são os provedores regionais, já respondem por 61% desse total. Dos 5.500 municípios brasileiros, cerca de 4.600 possuem acesso a essa infraestrutura. O maior backhaul individual é da Oi, com ainda com a V.tal, com cerca de 2.400.

Christian Alberti, diretor de Operações da Axxel, conta que o plano da companhia é ampliar a oferta para 29 cidades até dezembro e, para 2023, alcançar um total de 80, incluindo então os estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul. “O crescimento nesses mercados é muito semelhante. No Paraná, a adição ocorre em um ritmo de 45 mil conexões por mês. Em 12 meses, houve um crescimento de 30%”, destaca Alberti.

O modelo de rede neutra adotado pela Oi — a separação e venda da V.tal faz parte do plano de recuperação judicial da companhia — está fazendo com que o setor avance de uma forma nova. Diferentemente do passado, quando a oferta de banda larga era exclusividade de companhias de telecomunicações, nascem agora modelos de negócios bastante diversos.

No caso da Axxel, por exemplo, Alberti explica que o projeto é ser um hub de soluções, com atendimento personalizado e de alta qualidade. O plano é oferecer um pacote de serviços que inclua, por exemplo, monitoramento das residências por câmeras e alarmes de segurança — além, é claro, de produtos mais tradicionais desse segmento, como conteúdo de streaming e games.

O valor do investimento é estimado em R$ 50 milhões. O negócio é uma sociedade entre a RCI Telecomunicações, que atua no segmento de rádio e televisão, e a Interenge Engenharia, que presta serviços relacionados à instalação de redes. O objetivo é alcançar 100 mil clientes até o fim de 2023, de acordo com o executivo da Axxel. Pelo modelo de contrato com a V.tal, o pagamento pelo uso da rede ocorre conforme os clientes são conquistados e as residências conectadas.

O processo de venda da V.tal está em fase final, próximo da assinatura definitiva dos contratos. O negócio já recebeu aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) e da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).

Questionado sobre qual receita da V.tal virá dos contratos comerciais além da Oi, Arakawa explica que a companhia ainda não organizou os novos guidances, no aguardo do fechamento do contrato. O plano, para o futuro, é fazer a oferta pública inicial (IPO) dessa empresa. Na operação, a Oi terá a oportunidade de monetizar mais uma parcela do negócio, gerando capital para redução do endividamento.

Além do fortalecimento das operadoras regionais de banda larga, o modelo de rede neutra da V.tal vai transformar por completo a própria Oi, que passará a ser exclusivamente uma companhia de serviços digitais — para consumidor final e também clientes corporativos. Em 2021, o serviço de fibra trouxe uma receita de quase R$ 3 bilhões à Oi, comparado a R$ 1,3 bilhão em 2020 — 29% do faturamento de operações continuadas. A companhia tinha 3,4 milhões de conexões nessa modalidade ao fim de dezembro. A maior empresa do setor, em acessos, é a Telefônica Vivo, com quase 5 milhões de casas conectadas, e uma receita trimestral de R$1,4 bilhão, conforme dados do primeiro trimestre de 2022.

 

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

 

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Continua após a publicidade
Exclusivo: Fundo chega a mais de 5% na Oi e busca voz ativa na reestruturação

Exclusivo: Fundo chega a mais de 5% na Oi e busca voz ativa na reestruturação

Mercado duvida e fala da Anatel sobre anular venda da Oi Móvel não faz eco na B3

Mercado duvida e fala da Anatel sobre anular venda da Oi Móvel não faz eco na B3