Logo Exame.com
Roche

Roche paga US$ 3,1 bi por biotech de olho em 'novo Ozempic'

Compra da Carmot é porta entrada um mercado de US$ 140 bilhões; aposta, no entanto, pode demorar mais de seis anos para se consolidar

Roche: compra bilionário para entrar no mercado de tratamentos para perda de peso (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images/Site Exame)
Roche: compra bilionário para entrar no mercado de tratamentos para perda de peso (Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket via Getty Images/Site Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

11 de dezembro de 2023 às 16:09

A farmacêutica Roche apostou alto – mais exatamente US$ 3,1 bilhões - para entrar num mercado que vem ganhando corpo: o de medicamentos para controle de obesidade. A empresa suíça anunciou nesta segunda-feira, 04, a compra da Carmot Therapeutics, que está desenvolvendo de uma medicação similar ao Ozempic.  

Com sede em Berkeley, na Califórnia, a Carmot tem uma série de ativos baseados no chamado GLP-1, agonistas do peptídeo 1 semelhante ao glucagon, princípio trás de uma nova geração de medicamentos que foram desenvolvidos para ajudar a controlar os níveis de açúcar no sangue em pessoas com diabetes – e vem sendo cada vez mais utilizados para controle do apetite. 

A receita que fez Ozempic, da Novo Nordisk, se tornar o queridinho da indústria é similar à do Mounjaro, da Eli Lilly. Os GLP-1 também estão na base de um medicamento específico para perda de peso, o Wegovy, desenvolvido pela Novo Nordisk. Esse mercado, que está revolucionando a perda de peso, é estimado em até US$ 140 bilhões.  

Pelos termos do acordo, a Roche pagará aos acionistas da Carmot um montante inicial de US$ 2,7 bilhões e mais US$ 400 milhões, dependendo do atingimento de determinadas metas pela empresa americana. 

A Roche já vinha tentando entrar nesse mercado há anos, sem conseguir sucesso com os tratamentos que tentou desenvolver. Além da Nordisk e da Lilly com seus injetáveis, a AstraZeneca e a Pfizer estão buscando tratamentos em forma de comprimidos.  

A Carmot está desenvolvendo três moléculas que poderiam desafiar as concorrentes e tinha acabado de publicar prospectos para seu IPO nos Estados Unidos. No documento, afirmava que os recursos captados seriam usados no desenvolvimento de tratamentos injetáveis diários e semanais além de um tratamento oral.  

As ações da Roche subiram 2,80% no pregão de hoje em Zurique. A notícia foi bem recebida pelos investidores depois de falhas na fase final de pesquisas de um medicamento contra o Alzheimer, que era uma das grandes apostas da farmacêutica.  

Na corrida para rejuvenescer seu pipeline, em outubro, a farmacêutica já tinha pago US$ 7,1 bilhões pela Telavant, que desenvolve tratamento para doenças intestinais. Tanto essa quanto agora a compra da Carmot são vistas como uma forma de “rejuvenescer o pipeline” da companhia, segundo analistas do Jefferies.  

Tradicional nas terapias contra câncer, a Roche tem visto seu negócio estagnar. A projeção para esse ano é de que a receita fique na casa de 60 bilhões de francos suíços (US$ 69 bilhões), uma redução em relação aos dois últimos anos conforme a demanda por testes de covid-19 desaparece. No acumulado do ano, as ações da companhia ainda caem 16%.  

A transação, anunciada hoje, no entanto, enfrenta olhares mais céticos. Analistas do Morgan Stanley alertaram para o fato de que o injetável semanal da Carmot pode demorar seis anos para chegar ao mercado e “é improvável que ofereça uma grande melhoria” em relação ao tratamento comparável da Lilly.  

Além disso, já estando na liderança, tanto a Lilly quanto a Nordisk têm mais chances de se consolidar nessa dianteira à medida que desenvolvem novas gerações de seus tratamentos. Para os analistas do Morgan Stanley, a melhor chance de sucesso da Roche pode estar na combinação dos compostos adquiridos com outros ativos farmacêuticos, mas “isso exigirá despesas de capital relevantes”.  

O desafio é convencer o mercado de que Thomas Schinecker, CEO da Roche desde março deste ano, está escolhendo os melhores remédios para fazer a farmacêutica voltar a crescer.  

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Rivais, agora amigos: Rede D’or se une com Bradesco em JV para hospitais

Rivais, agora amigos: Rede D’or se une com Bradesco em JV para hospitais

Milei merece respeito pelo que conquistou até aqui: a análise de Ian Bremmer

Milei merece respeito pelo que conquistou até aqui: a análise de Ian Bremmer