Logo Exame.com
Light

Recuperação judicial da Light avança (pero no mucho)

Companhia está próxima de acordo na geradora, mas negociações com a distribuidora – principal problema da companhia – seguem travadas

Light: conversas com credores da distribuidora seguem sem avanços (Anton Petrus/Getty Images)
Light: conversas com credores da distribuidora seguem sem avanços (Anton Petrus/Getty Images)
Karina Souza

Karina Souza

4 de outubro de 2023 às 18:33

A Light comunicou ao mercado nesta semana a intenção de tirar geradora de energia da recuperação judicial. De acordo com fontes próximas à companhia, ouvidas pelo Exame IN, as conversas estão mais avançadas com o Itaú, principal credor das debêntures da empresa, somando uma dívida em torno de R$ 300 milhões. O montante é pequeno diante da dívida que a companhia tem na geradora de energia. São R$ 600 milhões com credores e, a maior parte, R$ 1 bilhão, está com bondholders -- com os quais as conversas estão paralisadas. Na mesma situação, estão as conversas os os credores da distribuidora -- o principal gargalo da sua recuperação judicial. 

Depois da rejeição do plano de RJ por parte dos credores em agosto, a companhia chegou a avaliar novos critérios para motivar novas conversas em setembro, como o EXAME IN noticiou, mas, mais uma vez, as conversas não andaram. Hoje, a empresa trabalha em novas alternativas para a negociação, mas, por enquanto, não há nada novo na mesa. 

As dívidas da Light Sesa, a distribuidora, são de R$ 6 bilhões em debêntures — com mais da metade na mão de pessoas físicas, o que, por si só, já traz um desafio na negociação — e de R$ 2 bilhões nas mãos de investidores estrangeiros. 

O documento, apresentado no dia 14 de julho, propôs uma reestruturação dos créditos quirografários (sem garantia real) em três alternativas — que poderiam ser adotadas tanto por credores da Light Sesa quanto da Light Energia, a geradora. A primeira seria de um leilão reverso com desconto mínimo de 60%; a segunda, de conversão da dívida atual em novas ações; a terceira, de conversão da dívida em novos títulos, com desconto de 20%, remunerados pelo IPCA. 

Havia, ainda, outras duas alternativas, uma específica para a distribuidora, que previa a conversão de dívidas em novos títulos remunerados por NTN-B+2% ao ano, com carência de cinco anos e pagamento do principal em dez. 

E outra alternativa, específica para os credores de Light Energia, que previa também a conversão em dívida, esta a ser paga a partir de julho de 2025, por quatro anos (para os credores de debêntures), remunerando a IPCA+4,85%, e, para os estrangeiros, um título com uma única parcela a ser paga em junho de 2026, remunerando a juros de aproximadamente 5,5% ao ano. 

Mas todas essas alternativas pressupunham a adesão dos credores ao critério de não litigar, ou seja, de não processar a companhia. Para quem não aderisse a isso, a alternativa era a de receber o valor da dívida daqui a 30 anos. Nesse período, a companhia pode resgatar os títulos por até 5% do valor da dívida que representam. 

Esse foi um ponto que não agradou a uma parte dos credores da Light Sesa, como uma fonte próxima às negociações apontou ao EXAME IN. 

Outros pontos do plano que também não agradaram a esse grupo, que corresponde a uma dívida de R$ 1,5 bilhão em debêntures, estão relacionados à reestruturação societária proposta pela companhia. No documento, a Light aponta as companhias poderão realizar operações como cisões, fusões, incorporações, transformações e liquidações, entre a própria empresa ou quaisquer de suas afiliadas. O que foi interpretado como uma “carta em branco” para a companhia agir. 

O novo comando da empresa, com a chegada da WNT, de Nelson Tanure (que hoje tem 30,5%) vem com uma estratégia de tentar negociar as dívidas da geradora e da distribuidora fora da RJ, dentro de um processo extrajudicial, deixando na RJ somente a holding — tendo parte das dívidas direcionadas a essa estrutura.. A visão é que a via judicial é um grande empecilho para a renovação das concessões de distribuição, ponto crucial na estratégia de investimento. 

Mas, fora da geradora, ainda há pouco avanço. “Tudo continua péssimo e confuso. Não há nada sério na mesa e as negociações, hoje, estão paralisadas”, resume uma fonte. 

Em meio ao clima tenso, o anúncio de avanços nas negociações da Light Energia foi interpretado pelos credores — e por analistas — como uma tentativa de a companhia mostrar avanços à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), de olho na renovação da concessão da distribuidora.

A geradora tinha uma situação financeira menos complicada já de largada. As dívidas da Light Energia são de R$ 600 milhões com debenturistas e de R$ 1 bilhão em bonds. Hoje, o principal grupo de credores da Light Energia é formado por bancos.  

Nos debenturistas, o maior é o Itaú, com uma dívida de R$ 300 milhões. Para este grupo (que inclui o banco) a companhia já firmou um acordo de pagamento de 100% da dívida, como anunciado na primeira versão do plano de recuperação judicial. 

Com os bondholders, ainda não há acordo, mas a companhia, com o apoio do Itaú, está desenhando uma proposta que deve ser apresentada em breve. "O banco tem consciência de que não adianta resolver só comigo, mas sim que é necessário resolver toda a questão da dívida na Light Energia. O Itaú está tentando criar uma solução com bondholders e estamos evoluindo nessa conversa", diz um conselheiro da Light. 

No mercado, foi levantada a hipótese de venda da Light Energia para ajudar a quitar parte das dívidas. Mas essa opção está fora da mesa. "Não temos a menor intenção de vender a Light Energia. Isso é uma demanda de um grupo muito específico de credores, que aponta a venda de um dos melhores ativos. Isso não vai acontecer", diz. 

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Acompanhe:

Karina Souza

Karina Souza

Repórter Exame IN

Formada pela Universidade Anhembi Morumbi e pós-graduada pela Saint Paul, é repórter do Exame IN desde abril de 2022 e está na Exame desde 2020. Antes disso, passou por grandes agências de comunicação.

Continua após a publicidade
Após AES, Auren compra Esfera para avançar em comercialização no varejo

Após AES, Auren compra Esfera para avançar em comercialização no varejo

Na ressaca do setor elétrico, UBS vê oportunidade de compra em Copel

Na ressaca do setor elétrico, UBS vê oportunidade de compra em Copel