Logo Exame.com
Montadoras

Os carros chineses chegaram para ficar no Brasil, diz o BTG – e já estão derrubando preços

Nova leva das montadoras chinesas é ‘mudança tectônica’ no mercado local e já afeta preços para além dos elétricos, aponta o banco

BYD: fabricante vai produzir na Bahia e já lidera importações de carros elétricos   (Leandro Fonseca/Exame)
BYD: fabricante vai produzir na Bahia e já lidera importações de carros elétricos (Leandro Fonseca/Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

2 de maio de 2024 às 18:16

A entrada massiva dos carros chineses no Brasil está transformando todo o mercado automotivo – com reflexo de queda de preços não só para concorrentes elétricos, como também para os veículos à combustão.

A conclusão é do BTG Pactual (do mesmo grupo de controle da EXAME), que fez um longo relatório para avaliar o impacto da chegada de montadoras como BYD e GMW no País, seja via importação ou, mais recentemente, produção local.

A “mudança tectônica” é uma boa notícia para players como WEG, que pode ganhar ritmo no seu projeto de carregadores para veículos, aponta o banco.

Mas não tão boa para locadoras de veículos como a Localiza e a Movida, que podem enfrentar um cenário de depreciação elevada de seus veículos seminovos – que já vem alta desde a ressaca no mercado automotivo no pós-pandemia.

“O cenário mais provável é que os players de locação de veículos carreguem taxas de depreciação mais altas por mais tempo e não necessariamente uma depreciação mais alta em relação aos níveis atuais (já que elas já estão próximas das máximas históricas)”, aponta a equipe liderada por Lucas Marquiori.

Ainda que os carros chineses não sejam exatamente uma novidade no Brasil, a nova onda é de modelos que caíram no gosto dos brasileiros.

“A acessibilidade e o reposicionamento bem-sucedido das marcas levaram os brasileiros a se apaixonarem pelos carros chineses. Essa mudança é impulsionada pela percepção muito melhorada da qualidade do produto e outro fator-chave: o crescimento dos veículos elétricos”, escrevem os analistas

Hoje, as marcas chinesas já representam 5,7% das vendas de veículos novos no Brasil (BYD + GWM) e a partir deste ano serão "grandes demais para serem ignoradas e se tornarão uma fortaleza na indústria automobilística do Brasil".

Se observadas as importações apenas de carros elétricos, os chineses já responderam por 35% das unidades que chegaram ao Brasil.

Com a pressão da concorrência local, o governo acenou com a recomposição das tarifas de importação, que voltam para o patamar integral de 35% até 2026 para híbridos e elétricos, tanto BYD quanto GMW  decidiram começar a produzir no Brasil, o que deve trazer uma presença ainda maior no mercado nacional – com resposta de montadoras como Toyota e Stellantis, que também estão ampliando investimentos aqui de olho na eletrificação.

Num documento de 94 páginas, o BTG detalhou várias implicações da nova ofensiva das montadoras chinesas no mundo – com lições a serem tiradas do aumento de participação em outros mercados, como a Europa e a China.

Mas um dos aspectos mais interessantes diz respeito à dinâmica de preços no Brasil. Em meio à ressaca pós-pandemia, que fez os preços dos veículos dispararem com a falta de oferta, é difícil cravar que a queda mais recente na cotação dos carros diz respeito somente à nova fonte de concorrência.

Porém, olhando a dinâmica de preços nos principais modelos por faixas de preços, o BTG encontrou significância estatística para cravar que o jogo virou ao menos na competição com os demais elétricos.

A entrada da BYD com o Dolphin, seu hatch elétrico, por R$149 mil atraiu muita atenção, resultando em 3 mil pedidos em 3 meses de lançamento.

Depois da chegada do Dolphin, concorrentes diretos responderam com cortes de preços. O Renault Kwid E-Tech, precificado a R$ 150 mil, caiu R$ 10 mil em agosto e R$ 16,5 mil neste mês, para R$ 123,5 mil. Preços de outros modelos, como o JCA JSI e o Caoa/Chery iCar, também recuaram.

A competição de intensificou com a recente chegada do GWM Ora3, precificado entre R$ 150 mil e R$ 184 mil, que chega ao mercado nesta semana.

“Essa pressão de preços se estendeu além dos modelos elétricos e híbridos para afetar as SUVs à combustão no mesmo intervalo de preço. A resposta do mercado sublinha a crescente influência das montadoras chinesas em moldar a dinâmica de preços no setor automobilístico brasileiro”, ressalta o BTG.

Oportunidades na cadeia de valor

Ainda que a eletrificação da frota de veículos no Brasil tenha gerado muito debate, por conta da nossa vocação para biocombustíveis, o aumento da presença dos elétricos é uma tendência que veio para ficar, segundo o BTG.

E as montadoras chinesas estão acelerando esse caminho no Brasil – o que grandes oportunidades para as empresas de bens de capital no país. Uma das maiores beneficiadas é a WEG, de motores e equipamentos eletroeletrônicos.

Em parceria com a Volkswagen a WEG já havia desenvolvido motores elétricos para caminhões chamados de e-Delivery, uma tecnologia que também se estende a ônibus.

A empresa também estuda a inserção de seus produtos no mercado de carros leves, mas esse nicho já tem boa parte de sua demanda atendida pelo desenvolvimento de motores elétricos próprios. Ainda assim, a companhia teria espaço para também crescer com a instalação de estações de carga.
Considerando os três principais impulsionadores de crescimento (caminhões elétricos, ônibus elétricos, carregadores), a equipe avalia que a eletrificação poderia representar 7,7% da receita da WEG a longo prazo (3,5% de caminhões elétricos + 3,9% de ônibus elétricos + 0,3% de carregadores).

A Tupy é outra fabricante que deve começar a se beneficiar da nacionalização da produção, em especial pela maior penetração de motores híbridos flex, pela demanda de blocos de ferro fundido ultraleves.

No entanto, parte importante das oportunidades, deve vir da maior demanda por reciclagem de baterias. A empresa investiu na melhoria de sua capacidade metalúrgica para facilitar o aumento da vida útil das baterias. “Essa jogada estratégica a posiciona para explorar a tecnologia de veículos elétricos”, escrevem os analistas.

Já a fabricante de ônibus Marcopolo está com projetos de eletrificação já há algum tempo, inclusive em parceria com a BYD. Embora a demanda no Brasil ainda seja pequena comparada a outros mercados, ela é crescente. A expectativa é de que 20% da frota de ônibus de São Paulo, maior cidade do país, seja composta por veículos elétricos.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Os investidores no páreo pela privatização da Sabesp

Os investidores no páreo pela privatização da Sabesp

XP vê 'armadilha de valor' na Ambev e rebaixa ação para neutro

XP vê 'armadilha de valor' na Ambev e rebaixa ação para neutro