Logo Exame.com
Balanços

Magalu reverte prejuízo no 1° tri e reporta maior margem Ebitda em 4 anos

Varejista registrou lucro líquido de R$ 27,9 milhões, superando consenso

Magalu: manutenção de caixa em R$ 9 bilhões (Germano Lüders/Exame)
Magalu: manutenção de caixa em R$ 9 bilhões (Germano Lüders/Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

9 de maio de 2024 às 18:57

O foco em ganho de rentabilidade pressionou o crescimento de vendas do Magazine Luiza no primeiro trimestre, mas levou a varejista a reportar margem Ebitda de 7,4%, a maior dos últimos quatro anos e um ganho na última linha de R$ 27,9 milhões, superando as estimativas do mercado.

No primeiro trimestre de 2024, a receita líquida do Magazine Luiza cresceu 1,9%, para R$ 9,23 bilhões, levemente abaixo da expectativa dos analistas, com as vendas brutas crescendo 3%, para R$ 16 bilhões. O Ebitda ajustado cresceu 54%, para R$ 688 milhões.

O desempenho na primeira linha ainda teve pressão do repasse de DIFAL, finalmente concluído, e da demanda ainda limitada das categorias core nas vendas 1P (vendas diretas) no e-commerce. Nesse canal, as vendas recuaram 2%.

No entanto, a operação do 3P manteve tendência de crescimento, avançando 6,4% e contribuindo para o avanço da receita de serviços, que cresceu 10% no período. O grande destaque na primeira linha, porém, foi mais uma vez o desempenho nas lojas físicas, cujas vendas cresceram 8% no consolidado, ou 9% na comparação de mesmas lojas.

“Nosso foco era aumentar margens, entregar rentabilidade mesmo com juros básicos de dois dígitos, então o desempenho mostra consistência”, diz Roberto Belíssimo, CFO do Magalu. A margem bruta da empresa cresceu 2,6 pontos percentuais, para 29,9%.

Concluído o repasse do Difal e com o horizonte de queda de juros básicos, a companhia começa a projetar recuperação do canal 1P ao longo do ano. Em abril, conta Belíssimo, as vendas cresceram um dígito alto, indicando um bom começo de segundo trimestre.

Mas o primeiro trimestre foi mesmo fora da curva. A geração de caixa somou R$ 2,7 bilhões em 12 meses. Apenas no primeiro trimestre de 2024, o capital de giro apresentou uma melhora de R$2,1 bilhões em relação ao mesmo período do ano anterior.

Com isso, conseguiu manter o caixa de dezembro, o que é raro no varejo. “Primeira vez que se manteve estável, em R$ 9 bilhões. Isso é consequência de uma geração de caixa operacional muito forte, com aumento de capital e pagamento de dívida.”

A melhora da linha de resultado financeiro, da ordem de 39%, foi importante alavanca para a varejista reportar lucro líquido. Foram cerca de R$ 3 bilhões de dívidas de curto prazo já pagos, com recursos da capitalização no começo deste ano, em que a família Trajano, controladora, investiu até R$ 850 milhões. Com isso, as despesas caíram 38%, com uma redução de 23% do pagamento de juros de financiamento. As dívidas remanescentes possuem vencimentos no final de 2025 e de 2026.

Além dos ajustes na operação de varejo, a companhia já colheu frutos da melhora de seu braço financeiro, o Luiza Crédito, que teve o segundo trimestre consecutivo de lucro.

A rentabilidade veio de redução de inadimplência e custo de funding e menos ao crescimento de carteira, hoje em torno de R$ 20 bilhões. “Não estamos, ainda, tendo crescimento nas lojas físicas por uma concessão de crédito maior. Estamos sendo conservadores na concessão”, diz o CFO. Historicamente o índice de financiamento do carnê e cartão nas lojas físicas é em torno de 50% e hoje está em 35% a 40%.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
Solví e Braskem se unem em JV de gestão de resíduos de R$ 1,4 bi

Solví e Braskem se unem em JV de gestão de resíduos de R$ 1,4 bi

Da celulose ao tecido, a costura da Suzano para entrar (de vez) no mercado têxtil

Da celulose ao tecido, a costura da Suzano para entrar (de vez) no mercado têxtil