Logo Exame.com
companhias-aereas

CRM&BONUS se une à Azul – e quer transformar como empresas lucram com dados

Programa vai oferecer descontos a passageiros em cada um dos 160 destinos nacionais operados pela companhia aérea

 (DircinhaSW/Getty Images)
(DircinhaSW/Getty Images)
Karina Souza

Karina Souza

10 de janeiro de 2024 às 12:23

Conhecida por sua plataforma de giftback, a CRM&BONUS acaba de lançar um novo produto capaz de monetizar bases de dados das empresas sobre o comportamento do consumidor -- e que tem o potencial de catapultar seu mercado endereçável para muito além varejo.

Numa solução desenvolvida com a Azul, assim que aterrissarem os clientes vão receber uma mensagem de Whatsapp dando boas vindas e oferecendo descontos em um estabelecimento da região ou um e-commerce.

A cada lead gerado – ou seja, a cada vez que uma pessoa clica “sim” para acessar a oferta presente na mensagem de Whatsapp – a Azul e a CRM&BONUS recebem uma comissão dividida igualmente.

“Hoje aplicativos bem-sucedidos gastam uma fortuna tentando atrair consumidores, mas nós já temos os dados de 16 milhões de pessoas, que conhecemos por seus hábitos. Conseguir usar isso é o primeiro passo para nos tornarmos uma empresa de tecnologia, um de nossos grandes objetivos", diz o CEO da Azul, John Rodgerson.

É um ganha-ganha. Com a solução, a Azul consegue aumentar os benefícios oferecidos a seus passageiros, mas em vez de incorrer em custo, tem uma nova linha de receita.

As sugestões são personalizadas e consideram o comportamento de compra desse consumidor tanto na base da Azul quanto a partir de dados que já estejam presentes na plataforma da empresa de giftback. Os lojistas que aparecem nas ofertas vêm da base da CRM&BONUS, que hoje reúne duas mil marcas e 35 mil lojas.

“Já começamos a ir atrás de novas marcas, o que é muito bom, porque, caso venham para a base, são clientes em potencial das outras soluções que oferecemos”, diz o fundador da CRM&BONUS, Alexandre Zolko.

Num mundo bombardeado de anúncios ‘personalizados’, para o lojista a vantagem é a assertividade: com as viagens como situação geradora de compra, a solução chega a um consumidor com alta probabilidade de conversão, por um investimento baixo.

O objetivo é entregar um custo de aquisição de consumidor (CAC) em torno de um décimo do oferecido por plataformas mais amplas, como Meta e Google.

Fundada em 2018, a CRM&BONUS nasceu para resolver um problema interno. Zolko, que vem da família fundadora da TVZ, queria substituir o papelzinho que o lojista entregava ao cliente com um desconto para a próxima compra.

Com um software, passou a oferecer esse desconto de forma digital, por meio de um SMS enviado ao cliente. Com isso, garante mais conversão e controle sobre o processo, desde quantos clientes receberam o desconto, a quantos de fato usaram e o quanto isso gerou de vendas incrementais.

Hoje, a CRM&BONUS promete ao cliente um aumento de 10% a 20% nas vendas nos 100 primeiros dias de implementação – ou seu dinheiro de volta.  A plataforma atraiu o interesse do Softbank, que liderou um aporte de R$ 280 milhões na companhia em 2021, avaliando-a em R$ 1 bilhão.

Com o giftback como carro-chefe, a empresa tem outras verticais, como o CRM360, que faz a gestão completa de relacionamento com o cliente por diversos canais, e a CRMBack, voltada para e-commerce, com uma solução para recuperação de venda a partir de carrinhos “abandonados” nas lojas virtuais.

Há ainda o Vale Bônus, um marketplace de ofertas voltado para atrair consumidores, em que o cliente final pode aproveitar pontos e descontos para comprar em lojas nas quais não costuma ter recorrência.

Em todos os casos, a premissa central é reduzir o custo de aquisição do cliente para as marcas, trazendo benefícios para quem usar esses descontos. A diferença no programa com Azul é que a relação não é apenas bilateral, entre a empresa e a CRM&BONUS, mas conta com um terceiro agente para enriquecer os dados e a assertividade da oferta: a companhia aérea.

A ideia é expandir a oferta tão logo quanto possível para outros setores. A Azul tem exclusividade no serviço entre as companhias áreas.

“Isso pode ser um grande motor de faturamento nosso nos próximos anos. Pode com esse projeto ajudar outras companhias que tenham o mesmo desafio de ter muito dado, trabalhando de forma exclusiva com uma por setor”, diz Zolko.

A partir do dia 20 de outubro, o Boas Vindas Azul estará disponível em São Paulo e Brasília, alcançando aproximadamente 3,5 milhões de clientes. O plano é expandir a oferta para todos os 160 destinos que a Azul oferece até dezembro.

Para Rodgerson, CEO da Azul, um dos próximos destinos, a médio prazo, pode ser a Flórida, pela alta concentração de brasileiros e por ser um destino característico de compras. “Só no Sawgrass, há 17 lojas vendendo malas. E muitas delas falam português!”, afirma o executivo.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Karina Souza

Karina Souza

Repórter Exame IN

Formada pela Universidade Anhembi Morumbi e pós-graduada pela Saint Paul, é repórter do Exame IN desde abril de 2022 e está na Exame desde 2020. Antes disso, passou por grandes agências de comunicação.

Continua após a publicidade
Quem deveria temer mais a Temu? O Goldman tem um palpite

Quem deveria temer mais a Temu? O Goldman tem um palpite

Com expectativa de fusão, Azul e Gol firmam parceria para voos no Brasil

Com expectativa de fusão, Azul e Gol firmam parceria para voos no Brasil