Logo Exame.com
Ambev

Cade e Ambev fecham acordo sobre contratos de exclusividade com bares

Processo foi movido pela Heineken em 2022, questionando cláusulas que amarram bares, restaurantes e outros pontos de venda

Ambev: Dona da Skol terá se seguir três regras em todo o Brasil (Paulo Fridman/Bloomberg/Site Exame)
Ambev: Dona da Skol terá se seguir três regras em todo o Brasil (Paulo Fridman/Bloomberg/Site Exame)
Raquel Brandão

Raquel Brandão

11 de outubro de 2023 às 19:32

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou um acordo para limitar os contratos de exclusividade da Ambev com bares, restaurantes e outros pontos de venda. O acordo votado nesta quarta-feira, 11, pelo Cade é resultado de um processo movido pela Heineken em 2022, na qual o grupo de holandês questionava a adoção dos contratos de exclusividade pela dona da Brahma.

Pelo acordo, os limites de exclusividade vão seguir três critérios.

A primeira delas é de ter contratos de exclusividade de no máximo 6% do número de pontos de venda em cada Estado e 12% do volume vendido.

O segundo critério é o de que, em capitais e cidades com mais de um milhão de habitantes, como Campinas, os contratos de exclusividade devem se limitar a 8% dos pontos de venda e 20% dos volumes vendidos. Essa regra também vale para o município de Lauro de Freitas na Bahia.

Por fim, um terceiro critério trata de áreas municipais específicas. É o caso do plano de piloto de Brasília, da Barra da Tijuca e toda Zona Sul do Rio de Janeiro e do centro expandido da cidade de São Paulo. Nessas áreas, os contratos de exclusividade estão limitado a 15% do total de pontos de venda, sem delimitar volume máximo.

Antes, não havia restrições de acordo. Agora, para o bar, restaurante ou comércio o prazo máximo de contrato será de cinco anos e não há multa em caso de rescisão. A Ambev também não pode mais fazer renovação automática dos contratos e não há mais cláusula de preferência.

Em nota enviada ao EXAME IN, a Ambev afirmou que a decisão “reforça o entendimento de que parcerias envolvendo exclusividade, dentro de limites adequados, são legítimas e beneficiam os pontos de vendas”.

Veja a nota da Ambev na íntegra:

Valorizamos a decisão do CADE de aprovar o acordo, pois ela reforça o entendimento de que parcerias envolvendo exclusividade, dentro de limites adequados, são legítimas e beneficiam os pontos de vendas. Desde o início das discussões, a Ambev colaborou com o CADE para celebrar um acordo que estimulasse um ambiente concorrencial justo e com benefícios para os pontos de vendas. Esse acordo evolui em pontos importantes para colocar o setor de bares e restaurantes, que ainda se recupera dos efeitos da pandemia, ainda mais no centro das decisões. Continuaremos com o nosso firme propósito de construir relações transparentes e de confiança com clientes e consumidores, sempre respeitando a legislação brasileira.

Para quem decide. Por quem decide.

Saiba antes. Receba o Insight no seu email

Li e concordo com os Termos de Uso e Política de Privacidade

Acompanhe:

Raquel Brandão

Raquel Brandão

Repórter Exame IN

Jornalista há mais de uma década, foi do Estadão, passando pela coluna do comentarista Celso Ming. Também foi repórter de empresas e bens de consumo no Valor Econômico. Na Exame desde 2022, cobre companhias abertas e bastidores do mercado

Continua após a publicidade
XP vê 'armadilha de valor' na Ambev e rebaixa ação para neutro

XP vê 'armadilha de valor' na Ambev e rebaixa ação para neutro

Ambev vê 'caminho certo' no 1º tri, mas efeito de reajuste de ICMS ofusca ganho de volume

Ambev vê 'caminho certo' no 1º tri, mas efeito de reajuste de ICMS ofusca ganho de volume