Americanas cria marca de logística integrada, com expansão de CDs e dark stores

Companhia criou a Americanas Entrega, marca que passa a reunir todos os ativos de logística on e offline da combinação entre Lojas Americanas e B2W Digital, focada em tecnologia e no menor prazo de entrega para os clientes
Americanas Entrega: nova marca para logística 100% integrada do grupo (Gustavo Lacerda/Reuters)
Americanas Entrega: nova marca para logística 100% integrada do grupo (Gustavo Lacerda/Reuters)
K
Karina Souza

Publicado em 01/06/2022 às 18:06.

Última atualização em 01/06/2022 às 19:06.

A Americanas anunciou nesta quarta-feira o lançamento da Americanas Entrega, marca que passa a reunir toda a malha logística da companhia integrada (Lojas Americanas e B2W). Para completar a oferta dessa vertical, que já nasce com 25 centros de distribuição e mais de 200 hubs, a companhia vai abrir dois novos CDs nos estados do Pará e da Bahia, além de aumentar a quantidade de dark stores e estabelecer 50 microbases em favelas fora do eixo Rio-São Paulo até 2023. O anúncio foi obtido com exclusividade pelo EXAME IN.

Inscreva-se no EXAME IN e saiba hoje o que será notícia amanhã. Cadastre-se aqui e receba no e-mail os alertas de notícias e das entrevistas quinzenais do talk show.

“Trata-se de uma unidade de negócio que prioriza o uso intensivo de tecnologia e inteligência artificial na operação e permite o controle de 100% do processo de entrega, do pedido de compra do consumidor até a última milha”, afirma Welington Souza, diretor da plataforma logística da Americanas S.A., em entrevista por e-mail. 

A união de 100% da malha logística é resultado de um esforço que acontece desde 2018 dentro da companhia para combinar ativos das companhias — quando ainda atuavam de forma separada. De 2021 para cá, já como uma única empresa, a Americanas passou a trabalhar no desenvolvimento de uma plataforma logística única, de olho em unificar estoques, otimizar sortimento, entre outras metas. Agora, com a conclusão desse processo na Americanas Entrega, o foco é competir pela entrega mais rápida.

De acordo com os dados do primeiro trimestre, já havia certa evolução, mesmo antes do anúncio da nova marca: as entregas em até 3 horas representam 34,9% do total, ante 14,3% no mesmo período do ano anterior. Além disso, o investimento prévio em tecnologia e em omnicanalidade nas capitais do Rio de Janeiro e de Minas Gerais reduziu o tempo de entrega e a taxa de tolerância a erros na entrega ao cliente, para menos de 1%. 

Em um âmbito de setor, a ação reflete o movimento já realizado por outras varejistas, de buscar cada vez mais a diminuição do custo logístico para melhorar margens do e-commerce, ao mesmo tempo que fazem um uso eficiente dos espaços físicos já disponíveis — o que se traduz em mais comodidade para os clientes. Hoje, a Americanas tem 132 mil parceiros conectados na plataforma de marketplace, uma base ativa de 52 milhões de clientes e presença física em todo o Brasil, com mais de 3,5 mil lojas. 

Novos CDs e dark stores

Os novos centros de distribuição têm mais de 100 mil metros quadrados de área de armazenagem e terão capacidade de atender mais de 300 lojas físicas nas regiões Norte e Nordeste do país, além da operação do e-commerce. “Hoje, 80% dos clientes que compram na plataforma digital estão a até 7 quilômetros de distância de uma de nossas lojas”, diz Wellington Souza. Com as novas estruturas, a Americanas S.A. somará mais de 1 milhão de m² de área de armazenagem próprias em todo o Brasil. Além disso, também reflete um esforço da companhia por sustentabilidade, com o primeiro CD ecoeficiente da empresa. 

A respeito das dark stores, a companhia afirma já ter mapeado mais de 300 mil m² de área disponíveis nas lojas físicas para acelerar a iniciativa; Nesse modelo, a Americanas usa lojas de todo o Brasil para a distribuição de itens que eram encontrados apenas no ambiente digital, o que acelera prazo de entrega e reduz custo de frete. 

Por fim, as microbases são unidades operacionais presentes em regiões com grande fluxo nas grandes capitais e capazes de realizar atendimento em um raio de até 10 quilômetros. Atualmente, a companhia conta com 30 lojas nesse formato, sendo sete em favelas, para atender ao propósito de entregar mais rápido em todos os lugares — colaborando, além do objetivo de negócio, para critérios ESG. 

“Estamos hoje colhendo os frutos desta iniciativa. Além do forte impacto positivo que geramos com a empregabilidade e a capacitação, a inclusão dessa parcela antes invisibilizada no e-commerce tem gerado excelentes resultados. Desde o início da operação, em abril de 2021, por exemplo, entregamos mais de 615 mil pacotes nas sete favelas atendidas no Rio de Janeiro e São Paulo, com picos de 2 mil pacotes em um único dia, no período de Dia das Mães. É a prova do tamanho potencial deste mercado”, diz Souza. 

A companhia não divulgou valor do investimento nos projetos dentro da nova vertical, mas afirma que investiu R$ 1,75 bilhão em todas as plataformas no último ano, o que inclui os gastos com logística. No primeiro trimestre de 2022, o capex total da Americanas atingiu R$ 450 milhões, de acordo com as informações do último balanço.