• AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
  • AALR3 R$ 20,01 -0.30
  • AAPL34 R$ 70,99 3.76
  • ABCB4 R$ 16,93 1.62
  • ABEV3 R$ 14,23 0.14
  • AERI3 R$ 3,76 -0.53
  • AESB3 R$ 10,81 -1.01
  • AGRO3 R$ 31,09 -1.11
  • ALPA4 R$ 22,80 2.84
  • ALSO3 R$ 19,15 1.59
  • ALUP11 R$ 26,48 -0.08
  • AMAR3 R$ 2,52 -2.70
  • AMBP3 R$ 31,84 -1.58
  • AMER3 R$ 21,57 0.33
  • AMZO34 R$ 3,52 4.14
  • ANIM3 R$ 5,51 -0.72
  • ARZZ3 R$ 83,00 2.13
  • ASAI3 R$ 15,78 -1.93
  • AZUL4 R$ 20,92 -0.14
  • B3SA3 R$ 12,68 2.18
  • BBAS3 R$ 37,07 -1.04
Abra sua conta no BTG

A startup que conquistou Creditas, Loft - e quer ir além dos unicórnios

A Linte, legaltech especializada em contratos, concorre contra gigantes como a Docusign e reforça tendência de busca por automação de tarefas usando low code
 (Divulgação/Linte)
(Divulgação/Linte)
Por Karina SouzaPublicado em 14/12/2021 15:30 | Última atualização em 14/12/2021 16:36Tempo de Leitura: 5 min de leitura

O que Creditas, Ebanx, Stone, Loft e MadeiraMadeira têm em comum? A resposta óbvia seria a de que são todos unicórnios que atuam no Brasil. Porém, há um segundo ponto que todas compartilham: são clientes da Linte, legaltech (startup relacionada ao meio jurídico) especializada na automação da gestão de contratos. Diante de um mercado em que uma gigante estrangeira domina  – a Docusign – a empresa 100% brasileira afirma que há espaço de sobra para crescer: duplicou o faturamento em 2021 e vai crescer o triplo em 2022, afirma Gabriel Senra, fundador e CEO da Linte, ao EXAME IN. 

Inscreva-se no EXAME IN e saiba hoje o que será notícia amanhã. Receba no email os alertas de notícias e links para os vídeos do talk show quinzenal.

Para crescer, a companhia aposta na personalização da oferta aos clientes e em um nicho de empresas maiores. Diferente de outras companhias no setor, em que é possível contratar um serviço de gestão de contratos por R$ 99 ao mês, na Linte o preço de entrada é de 30 mil reais por ano para uma companhia de médio porte. No segmento “enterprise”, que visa grandes corporações e até mesmo multinacionais, o preço médio é de 300 mil reais por ano. São grandes projetos de digitalização e que envolvem praticamente todas as áreas da empresa, indo além do jurídico.

O resultado de tudo isso é, claro, aperfeiçoar processos para os clientes, gerando mais eficiência. Hoje, a Linte afirma que gera uma economia de 82% no custo da operação das companhias em que atua, tomando como base o custo de operação para gestão de contratos. O dado é obtido a partir de uma empresa que opera há três anos com a companhia e em seis países diferentes. Em termos de tempo, a gestão de contrato é, no mínimo, dobrada, chegando até a ser quatro vezes mais rápida em alguns clientes.

O tempo de implementação também é bastante reduzido: se há alguns anos a companhia demorava de três a quatro meses para iniciar a operação em uma empresa, hoje consegue fazê-lo em duas semanas, na média. Um ponto que colaborou para isso foi o investimento em tecnologia, especialmente a dedicação ao low-code, que permite a qualquer pessoa com pouco ou nenhum conhecimento em programação adaptar o software da maneira que preferir.

Esse ponto reforça uma tendência observada com força recentemente: o low-code é um campo vasto para startups. Nele, conseguem crescer desde as mais tradicionais do setor, como a Outsystems, até novas empresas, como a Everysk, totalmente dedicada ao setor financeiro. A Linte vem nessa toada, mostrando que não há nicho imune aos benefícios de uma plataforma de automatização – nem mesmo o jurídico.

Com isso, a companhia consegue uma entrada facilitada em empresas e não sofre com multinacionais, já que a plataforma pode ser customizada como cada país preferir. Por não atuar com contencioso, não há tantas barreiras de regulação para a adaptação dentro das companhias, mesmo em diferentes países.

Para ter uma ideia, o setor em que a companhia atua tem previsão de crescimento anual composto (CAGR) de 6% ao ano até 2025. O faturamento do setor, que era de 17,2 bilhões de dólares em 2019, deve chegar a 25,1 bilhões de dólares nos próximos quatro anos, segundo dados da companhia de análises alemã Statista. Ao mesmo tempo, cálculos da Nasdaq apontam que o valor do mercado é de 14 bilhões de dólares em 2021 e que há duas frentes principais para crescer: contratos e compliance. 

“A nova geração de tecnologia nessas categorias costuma aproveitar os avanços de ponta em aprendizado de máquina e computação em nuvem para habilitar, automatizar ou deslocar totalmente a mão de obra (muito) cara a taxas que variam de $ 400 a $ 2.000 por hora”, afirma Casey Flaherty, chefe de Estratégia na LexFusion, em artigo.

No caso da Linte, aproveitar esse potencial significou maior aproximação com startups. Especialmente entre 2017 e 2018, segundo o executivo, indo atrás de futuros clientes para a modalidade de contrato que traz mais receita para a empresa. “Colocamos os unicórnios no mesmo patamar de atendimento que dedicávamos somente a corporações do setor tradicional. Quisemos olhar para elas antes de se tornarem grandes e complexas e, no momento em que cresceram, continuamos lá”, diz. 

É de olho nisso que a empresa quer crescer cada vez mais. A Linte foi fundada em 2015 depois de um programa de aceleração da 500 Startups, seguido por outro aporte na fase seed com Valor Capital Group e Redpoint Ventures. O valor não é divulgado por questões estratégicas, mas a companhia adianta que pode fazer uma rodada nova de captação em 2022.

Diante de uma pandemia que impulsionou cada vez mais a necessidade de digitalização – e fez a companhia praticamente dobrar de tamanho – Gabriel explica que não houve um “boom” de procura pelos serviços da empresa, mas que há uma percepção mais clara da necessidade de automatização de processos. Especialmente com equipes remotas e pessoas trabalhando de forma mais colaborativa entre áreas.

Para 2022, a receita para crescer está no aumento de tíquete médio do produto e da estratégia de foco em companhias maiores e mais estruturadas. A preparação para isso já vem desde este ano, com o reforço de pessoal especializado dentro da companhia. Até mesmo a oferta de novos serviços está sendo observada. Em uma era cada vez mais digital, a Linte quer mostrar que pode concorrer com gigantes – e tem tudo para avançar nos próximos anos.