Tecnologia

Por que o X, antigo Twitter, não decolou com Elon Musk?

Luiz Anversa

10 de julho de 2024 às 14:40

Foto: A rede social X; controlada pelo bilionário Elon Musk. (Nathan Stirk/Getty Images)

Desde a compra do antigo Twitter, agora X, por Elon Musk no final de 2022, a plataforma se tornou foco de debates sobre seu futuro. As chamadas trends continuam a destacar temas quentes ou de interesse digital.

Foto: Elon Musk (Chesnot/Getty Images)

Segundo o Financial Times, o X reportou 251 milhões de usuários ativos diários no segundo trimestre deste ano, um aumento de apenas 1,6% em comparação ao ano anterior. Antes da aquisição de Musk, a plataforma registrava um crescimento de dois dígitos ano a ano.

Durante o segundo trimestre, o X teve cerca de 570 milhões de usuários ativos mensais, um aumento de 6% ano a ano. A aquisição de Musk trouxe preocupações sobre discurso de ódio e falta de moderação de conteúdo, resultando na saída de muitos usuários.

Foto: (sem legenda) (Jordan Vonderhaar/Bloomberg/Getty Images)

A luta de Musk com grandes anunciantes, como Walmart e Disney, fez o valor da empresa cair 71,5% desde sua aquisição. Em novembro de 2023, o X foi avaliado em US$ 12,5 bilhões, uma queda significativa em relação ao valor pago em 2022.

Foto: Elon Musk, novo proprietário do Twitter (JIM WATSON/Getty Images)

Threads, plataforma rival da Meta, alcançou 175 milhões de usuários ativos mensais em seu primeiro ano. Embora tenha registrado 28 milhões de usuários ativos diariamente em abril, superando o X, o uso caiu após um crescimento rápido demais para ser sustentado.