Youtuber americano perde patrocínios e a própria startup após escândalo

David Dobrik, um dos criadores de conteúdo mais populares do YouTube, teve de renunciar ao conselho da própria startup e perdeu investidores e anunciantes

O criador de conteúdo David Dobrik anunciou hoje, 22, a sua saída do conselho da startup Dispo, aplicativo de fotos que traz a câmera analógica em formato de rede social, horas depois de seu investidor principal anunciar que estava encerrando a parceria.

O anúncio vem após acusações de assédio sexual contra um membro do "Vlog Squad", apelido dado ao grupo de amigos que participam de todos os vídeos feitos por Dobrik na plataforma.

Quem é David Dobrik?

Nascido na Eslováquia, mas criado nos Estados Unidos, David Dobrik é um criador de conteúdo de 24 anos que teve seu início no Vine, aplicativo para a criação de vídeos de 6 segundos. Quando migrou para o YouTube, logo começou a postar vlogs semanais, uma espécie de blog em vídeo, gravando suas experiências em Los Angeles com seus amigos.

Dobrik criou uma fórmula para seus vídeos nunca antes vista no site. Misturando conversas ensaiadas com gravações reais, suas criações remetem a um reality show escandaloso com a amizade de Friends. Cenas com álcool, teor sexual e festas são comuns e se juntam com cenas inventadas para alívio cômico, o que, junto com os cortes rápidos, pode dificultar o entendimento do que é real e o que não é.

Nos últimos anos, o youtuber se consolidou como um dos maiores criadores da plataforma com seus vlogs curtos e dinâmicos de 4 minutos e 20 segundos. No total, Dobrik acumula 8 bilhões de visualizações em seu canal principal e 18 milhões de inscritos. Cada vídeo varia entre 15 e 30 milhões de visualizações.

Amigo de Dobrik é acusado de assédio sexual

Na terça-feira, 16, o site de notícias Insider publicou uma denúncia de assédio sexual contra Dominykas Zeglaitis, membro do Vlog Squad. Em novembro de 2018, o acusado teria convidado fãs do grupo para irem em sua casa com o intuito de gravar uma "cena cômica" de "sexo a quatro" entre Zeglaitis e as garotas.

Diversos amigos estavam presentes na casa e a gravação seria especificamente para um vídeo de Dobrik, que foi posteriormente acusado de pedir para que os amigos comprassem álcool para as fãs. Supostamente, Dobrik teria percebido que seu plano de gravar uma "cena engraçada" sobre seu amigo tentando conquistar garotas não tinha funcionado e quis tentar embebedá-las. 

As fãs tinham entre 18 e 20 anos de idade e não podiam comprar bebidas, de acordo com a lei americana. A vítima, que foi descrita como "Hanna" na reportagem para manter seu anonimato, disse que eventualmente foi para o quarto com Zeglaitis e outra amiga, mas não se recorda de nada. Sua amiga alega que Hanna parecia estar desacordada durante o ato sexual e que, depois, teve de vestir ela e ajudá-la a vomitar no banheiro.

Dois dias após o ocorrido, Dobrik publicou o vídeo em sua conta. Ele acumulou 5 milhões de visualizações até Hanna pedir para ele ser deletado, afirmando que os acontecimentos foram editados para parecer um encontro consensual e sem qualquer presença de álcool.

No vídeo, Dobrik é visto gravando seus amigos abrindo a porta do quarto durante o suposto ato sexual para "espionar" o que estava acontecendo. A última cena é ele e seus amigos entrando no carro, fazendo uma piada sobre como a noite iria terminar com eles "indo para a cadeia".

O que isso significa para Dobrik e Dispo?

Dobrik desenvolveu a ideia para o Dispo em 2019, mas seu lançamento só aconteceu em 2021. O app traz a câmera analógica para o digital e é como um Instagram menos focado na foto perfeita. O usuário tira uma foto pelo aplicativo e só pode ter acesso a ela 24 horas depois, quando é publicada automaticamente no seu feed de notícias para seus seguidores.

O Dispo foi lançado para todo o público na última semana de fevereiro e recebeu meio milhão de instalações no iOS. Na semana anterior, ele havia recebido um aporte de 20 milhões de dólares da Spark Capital, empresa de capital de risco, enquanto o aplicativo contava com apenas 10.000 usuários.

Nesta segunda-feira, 22, a Spark Capital anunciou que estava finalizando sua parceria com a startup. "Nós renunciamos do conselho e estamos no processo de garantir que não iremos lucrar com nosso investimento recente no Dispo", escreveu a empresa em comunicado no Twitter.

A Seven Seven Six Capital, que deu um aporte de 4 milhões de dólares para a startup no final de 2020, publicou em sua conta no Twitter: "Temos trabalhado com o Dispo na última semana e apoiamos totalmente a decisão deles de se separar de David". A empresa irá doar todos os lucros de seu investimento para uma organização que trabalha com sobreviventes de assédio sexual, mas continuará fazendo parte do conselho.

Horas depois, Dobrik anunciou que também estava saindo do conselho. "David optou por renunciar ao conselho e deixar a empresa para não intervir em seu crescimento", disse o comunicado, de acordo com a The Information.

Em questão de seguidores, sua conta no YouTube continua relativamente intocável. No último mês, Dobrik perdeu apenas 100.000 seguidores nada comparado a alguns outros escândalos no YouTube, como um envolvendo o criador James Charles, que perdeu mais de 3 milhões de inscritos em um fim de semana em 2019 após uma briga com outra criadora da plataforma, Tati Westbrook.

Perda de patrocinadores e mais

Além das aventuras com sua startup e outras criações, como um quebra-cabeça com um código QR que sorteia entre 25 centavos e 1 milhão de dólares para quem o completa, grande parte do dinheiro de Dobrik vinha de empresas que patrocinavam seu conteúdo no YouTube.

Após a publicação da denúncia, Dobrik perdeu o apoio de gigantes como a EA Sports, que afirmou ao New York Times que não estava mais trabalhando com ele nem tinha planos para o futuro. Em um vídeo, Dobrik deu uma Lamborghini para seu amigo com o patrocínio da EA Sports.

Outras empresas, que focam grande parte de seus anúncios em parcerias com criadores de conteúdo, também se pronunciaram. A startup HelloFresh, que envia receitas e comidas saudáveis para seus inscritos, disse em comunicado na sexta-feira, 19: “Podemos confirmar que não estamos mais trabalhando com David Dobrik ou qualquer membro do Vlog Squad e não temos planos de trabalhar com eles novamente no futuro."

Outras startups como Audible, DoorDash, Dollar Shave Club e General Mills também anunciaram o fim de sua parceria com o criador de conteúdo. A SeatGeek, empresa de venda de ingressos que é uma das maiores anunciantes de Dobrik e já ajudou ele a pagar por volta de cinco carros para seus amigos e familiares, disse que está "revendo" a parceria.

Lições para o Brasil

Para criadores de conteúdo no Brasil e em outros países, o caso de David Dobrik pode ser visto como um alerta. Com seu sucesso alarmante, o youtuber sempre foi visto pela comunidade como alguém que nunca deixaria de estar no topo. Mesmo com outros escândalos já tendo surgido, nenhum deles afetou sua carreira como agora —  e muitos vídeos antigos que sempre passaram despercebido estão sendo compartilhados novamente, piorando sua situação.

Mais do que qualquer outra celebridade, os influenciadores têm sua personalidade e ações conectadas à sua marca. Escândalos, grandes ou pequenos, têm o potencial de mudar a percepção dos fãs em volta de quem eles seguem, e não demora muito para que patrocinadores e investidores sigam logo atrás.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.