YouTube aumenta o número de anúncios entre vídeos e deixa assinatura Premium família 10% mais cara

A plataforma de vídeos do Google da indícios de que será ainda mais agressiva na monetização do conteúdo que hospeda
Aplicativo do YouTube: não há uma previsão de quando a plataforma oferecerá o formato de propaganda em áudio aos anunciantes (SOPA Images/Getty Images)
Aplicativo do YouTube: não há uma previsão de quando a plataforma oferecerá o formato de propaganda em áudio aos anunciantes (SOPA Images/Getty Images)
D
Da redaçãoPublicado em 21/10/2022 às 10:15.

O YouTube já deixou claro que os usuários não assinantes do serviço terão que enfrentar cada vez mais publicidade antes dos vídeos.

Em um teste feito no mês passado, a plataforma chegou a experimentar inserções que passavam de 8 anúncios de 6 segundos seguidos, sem a opção de pular.

Na quinta-feira, 20, durante o evento Advertising Week New York, voltado para profissionais de marketing, a plataforma revelou um acréscimo nessa estratégia mais ampla de monetização do conteúdo.

Um pedaço da história em imagens: o YouTube entra na sala

Segundo o próprio YouTube, agora os anunciantes terão a opção de propaganda somente em formato áudio, com até 30 segundos, que será veiculada durante podcasts. Como apurou o site 9to5Google, devem ser introduzidas imagens simples em segundo plano e um botão de ação para guiar o interessado à página do produto ou serviço.

Junto disso, a empresa também anunciou ao mercado brasileiro que irá atualizar o plano família do YouTube Premium. A alteração está prevista para entrar em vigor nos ciclos de faturamento a partir de 21 de novembro de 2022.

Os motivos da alteração não foram revelados. Mas a plataforma de streaming informou que o preço vai sair de R$ 31,90 para R$ 34,90 ao mês. Ou seja, um aumento de 9,4%.

A mudança afeta apenas o valor da assinatura do plano família. Dessa forma, além de os benefícios continuarem os mesmos, os usuários também podem compartilhar a assinatura com até cinco pessoas. Mas, se preferir, ainda existe a opção de cancelar o YouTube Premium antes da alteração da mensalidade.

O aumento também atingiu outros países, como a Argentina e o Japão.