A página inicial está de cara nova Experimentar close button
Conheça o beta do novo site da Exame clicando neste botão.

União Europeia aperta o cerco contra as gigantes da tecnologia

Empresas com capitalização acima de 80 bilhões de euros e que ofereçam serviços online, como Apple, Amazon e Microsoft serão afetadas por uma nova lei de controle de mercado; ainda falta uma posição comum dos membros do bloco

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

A União Europeia avança nessa quinta-feira, 25, mais um passo no que considera uma forma de frear práticas de oligopólio de gigantes de tecnologia como Facebook, Google e Amazon.

Com a votação de uma posição comum entre os membros do bloco, ficará definido como a UE fará para ter o controle de mercado e conteúdo de empresas, principalmente, americanas.

O grupo principal do Parlamento Europeu, chamado Comitê do Mercado Interno e da Proteção do Consumidor, alega querer incentivar o ambiente competitivo, criando oportunidades para a entrada de novas empresas, evitar a concentração de mercado e delimitar o uso dos dados pessoais.

O texto permite que uma Comissão do Parlamento Europeu faça investigações e discipline comportamentos que não estão em conformidade, estabelece qual é o perfil de empresas gatekeepers (porteiras, em tradução livre) e o que o essas companhias podem ou não fazer no território europeu.

Segundo a proposta, companhias "porteiras" são definidas como as que geram um volume de, pelo menos, 50,3 bilhões de reais em negócios anualmente no Espaço Econômico Europeu e apresentam uma capitalização de mercado de 503,3 bilhões de reais.

Os parlamentares também querem evitar que as big techs barrarem a chegada de novos competidores. Para tanto, concederam à Comissão o poder de disciplinar as empresas quando isso ocorrer. Um poder que deve ser usados quando as companhias extrapolarem os seus limites de atuação.

Caso contrário, a Comissão poderá estabelecer multas que ficam entre 4% e 20% do volume total global de negócios da companhia.

Se aprovado, a implementação do regramento com os membros do bloco deve ficar para o primeiro semestre de 2022.

(Com Bloomberg)

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também