UE decide impor carregador único para dispositivos portáteis a partir de 2024

A norma será a entrada USB-C para todos os dispositivos; o objetivo é limitar os resíduos tóxicos gerados por milhares de cabos de vários formatos
 (Thiago Lavado/Exame)
(Thiago Lavado/Exame)
A
AFP

Publicado em 07/06/2022 às 10:37.

Última atualização em 07/06/2022 às 10:38.

Os países da União Europeia (UE) e os negociadores do Parlamento Europeu anunciaram nesta terça-feira, 7, um acordo para impor um carregador único e universal para smartphones, tablets e dispositivos portáteis no bloco até o outono boreal de 2024.

A norma será uma entrada USB-C para todos estes dispositivos com o objetivo de limitar os resíduos tóxicos de milhares e milhares de cabos de vários formatos, e defender o direito dos consumidores, obrigados a acumular vários carregadores.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

O projeto enfrentou forte oposição da gigante de tecnologia Apple, que defende sua conexão e tecnologia de carregamento Lightning.

O comissário europeu da Indústria, Thierry Breton, saudou o acordo e mencionou no Twitter que "o interesse geral da União Europeia prevaleceu".

O acordo significa "mais economia para os consumidores da UE e menos resíduos para o planeta".

Em um comunicado à imprensa, o Parlamento Europeu observou que o projeto "faz parte de um esforço mais amplo da UE para tornar os produtos mais sustentáveis, reduzir o lixo eletrônico e facilitar a vida dos consumidores".

Assim, "os consumidores não precisarão mais de um dispositivo e cabo de carregamento diferentes toda vez que comprarem um novo dispositivo e poderão usar um carregador para todos os seus dispositivos eletrônicos portáteis de pequeno e médio porte", acrescentou a nota.

O Parlamento destacou ainda que a velocidade de carregamento será "harmonizada para dispositivos que suportam carregamento rápido, permitindo aos utilizadores carregarem os seus dispositivos à mesma velocidade com qualquer carregador compatível".

O eurodeputado conservador búlgaro Andrey Kovatchev, um dos principais negociadores do acordo, destacou que "este novo regulamento facilitará a vida dos consumidores europeus e também será melhor para o meio ambiente".

"Chegou a hora de acabar com as gavetas de cabos que todos temos e reduzir cerca de 11 mil toneladas de lixo eletrônico por ano", disse.

De acordo com a UE, os consumidores europeus gastam um total de cerca de 2,4 bilhões de euros (cerca de 2,8 bilhões de dólares) anualmente em cabos e adaptadores para carregar seus dispositivos móveis.

Em 2009, a Comissão Europeia promoveu um acordo de adoção voluntária com a indústria para reduzir o enorme custo dos cabos, mas não conseguiu convencer a Apple a aderir. A empresa alega que a adoção de um único carregador é um freio à inovação.