Tecnologia

Troca de número da Anatel afeta registro de reclamações

Consumidores de diversos Estados não conseguiam entrar em contato com o órgão regulador para formalizar reclamações contra operadoras de telefonia

Volume de ligações no call center da Anatel chegou a ter queda de 30% a 40%, mas ontem a situação já começou a ser normalizada e a redução foi de 15% (Steve Zazeski/sxc.hu)

Volume de ligações no call center da Anatel chegou a ter queda de 30% a 40%, mas ontem a situação já começou a ser normalizada e a redução foi de 15% (Steve Zazeski/sxc.hu)

DR

Da Redação

Publicado em 3 de março de 2011 às 11h32.

São Paulo - A mudança do número da central de atendimento da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) de 133 para 1331 provocou problemas para os usuários desde a última segunda-feira, data em que o novo número passou a ser utilizado. Consumidores de diversos Estados não conseguiam entrar em contato com o órgão regulador para formalizar reclamações contra operadoras de telefonia.

Rúbia Marize de Araújo, chefe da Assessoria de Relações com o Usuário da Anatel, disse à Agência Estado que a previsão é de que o sistema já esteja normalizado a partir de hoje. "Até às 9h30, recebemos 3.048 ligações, número acima das 2.730 registradas no mesmo horário da quinta-feira da semana passada. Devemos fechar o dia acima da média da semana anterior, devido às chamadas represadas", afirmou.

Segundo Rúbia, na segunda e terça-feira, o volume de ligações no call center da Anatel chegou a ter queda de 30% a 40%, mas ontem a situação já começou a ser normalizada e a redução das chamadas recebidas foi de 15%. Ela explicou que o problema na central ocorreu em decorrência de falhas no encaminhamento de chamadas para o novo número.

Acompanhe tudo sobre:América LatinaAnatelAtendimento a clientesDados de Brasilgestao-de-negocios

Mais de Tecnologia

Uber apresenta instabilidade no app nesta sexta-feira

Zuckerberg diz que reação de Trump após ser baleado foi uma das cenas mais incríveis que já viu

Companhias aéreas retomam operações após apagão cibernético

O que faz a CrowdStrike, empresa por trás do apagão cibernético

Mais na Exame