Tecnologia

Startup de tecnologia que detecta sinais de AVC recebe US$ 50 milhões

Problema de saúde mata mais de 140 mil pessoas ao ano nos Estados Unidos

 (Viz.AI/Divulgação)

(Viz.AI/Divulgação)

Lucas Agrela

Lucas Agrela

Publicado em 27 de outubro de 2019 às 12h23.

Última atualização em 27 de outubro de 2019 às 12h37.

São Paulo -- Uma startup que usa inteligência artificial para prever sinais de AVC (acidente vascular cerebral) recebeu um aporte de 50 milhões de dólares em uma série B de investimentos para expandir sua atuação. Hoje, a empresa tem escritórios em São Francisco (EUA) e em Tel-Aviv (Israel). A rodada foi liderada pela firma de investimentos em tecnologia Greennoaks, com a participação do fundo GV de capital de risco da Alphabet (dona do Google) e do Kleiner Perkins, fundo que investe em empresas de saúde.

Chamada Viz.ai, a startup foi fundada em 2016, em São Francisco. Sua tecnologia utiliza algoritmos de aprendizagem de máquina (que imitam o processo de aprendizagem humano, mas com eficiência de máquina) para analisar imagens cerebrais e detectar grandes oclusões de vasos sanguíneos, ligadas a um tipo debilitante de AVC.

Ao encontrar sinais que precedem um AVC, o sistema da Viz.ai alerta médicos. Como em outras doenças, quanto antes o caso for tratado, maiores são as chances de um quadro positivo para o paciente. Além da saúde, a tecnologia ajuda a reduzir os custos da hospitalização para pacientes.

O sistema da Viz.ai é aprovado pela Federal Drug Administration, órgão nacional de regulação do setor de saúde, e é usado atualmente em 300 hospitais nos Estados Unidos. A startup já havia captado 10 milhões de dólares em financiamento e 21 milhões de dólares em investimentos em uma rodada de série A, realizada em 2018.

Nos Estados Unidos, país-sede da empresa, uma pessoa é vítima de um AVC a cada 40 segundos, levando a 140 mil mortes anualmente, de acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças do Departamento de Saúde e Serviços Humanos do governo americano.

Acompanhe tudo sobre:Fundos de investimentoInteligência artificialSaúdeStartups

Mais de Tecnologia

Meta abre dados do Instagram para estudo do impacto na saúde mental de adolescentes

O que é o Prime Day? Nos EUA, ele deve movimentar US$ 14 bilhões

Elon Musk decide transferir sedes da SpaceX e X para o Texas

81% da Geração Z no Brasil deixa de usar apps por preocupações com privacidade, diz pesquisa

Mais na Exame