Soldados ´dançarinos´ de Israel terão de gravar vídeo educativo

Como comportamento não representou nenhuma ofensa moral, coronel decidiu dar uma pena educativa
No vídeo, militares interrompem patrulha para fazer coreografia (.)
No vídeo, militares interrompem patrulha para fazer coreografia (.)
C
Célio YanoPublicado em 12/07/2010 às 10:02.

São Paulo - O grupo de soldados de Israel que fez sucesso na internet por aparecer dançando em um vídeo publicado no YouTube recebeu, enfim, sua punição. De acordo com o portal de notícias israelense Ynetnews, os dois comandantes do pelotão que fez a coreografia terão de gravar outro filme, desta vez para orientar outros soldados a não dançarem.

O castigo foi anunciado pelo coronel Amir Abulafia, comandante da brigada Benjamin, da qual faziam parte os militares dançarinos. Abulafia explicou ao Ynetnews que os líderes do pelotão não agiram apropriadamente ao executar a dança enquanto usavam uniforme, equipamentos e armas do exército. Mas como o comportamento deles não representou nenhuma ofensa moral, ele decidiu dar uma pena educativa.

Segundo o coronel, o vídeo criou uma situação problemática, porque como os participantes usavam o uniforme das Forças de Defesa de Israel, o vídeo foi atribuído diretamente à instituição. Agora, os dois líderes do grupo terão de fazer um vídeo educativo para evitar "incidentes similares" futuros. Os demais militares que apareceram na gravação estão de licença e deverão ser liberados das atividades militares em uma semana.

O vídeo

As imagens, que foram publicadas no último fim de semana, mostram seis soldados, armados e com uniformes militares percorrendo uma rua da cidade de Hebron. De repente, a música "Tick Tock", da cantora por norte-americana Ke$ha, começa a tocar e eles iniciam a coreografia. Logo que a gravação foi publicada, rapidamente se espalhou por páginas do Facebook e blogs. Após o arquivo ter sido retirado do ar, outras versões do vídeo foram publicadas no YouTube.

Confira as imagens dos soldados dançando:

Leia outras notícias sobre o YouTube