São Paulo admite situação crítica no maior reservatório de água do estado

governo de São Paulo admitiu nesta quinta-feira uma situação crítica na represa da Cantareira

O governo de São Paulo admitiu nesta quinta-feira uma situação crítica na represa da Cantareira, o principal reservatório de água da região metropolitana e que abastece 6,5 milhões de habitantes, devido à falta de chuvas que afeta o sudeste do país.

O nível do sistema hídrico alcançou mínimos históricos em junho, por isso que as autoridades tiveram que recorrer a uma primeira reserva técnica chamada de "volume morto", cuja cota está se esgotando.

"Se continuar sem chover, o atual volume da (reserva técnica) Cantareira nos garantiria 52 dias a mais. Isso daria até 21 de novembro com os níveis que temos hoje", disse hoje aos jornalistas Mauro Arce, o secretário regional de Recursos Hídricos de São Paulo.

Arce disse que o segundo "volume morto" só será utilizado quando o atual chegar ao limite, mas confiou que haverá chuvas durante o período setembro-novembro.

"Nunca em 84 anos deixou de chover na cidade nestes meses", apontou o secretário.

O São Paulo atravessa uma de suas piores crises hídricas desde dezembro devido à falta de precipitações no período de verão e à consequente falta de água nos reservatórios.

O pronunciamento de Arce ocorreu depois que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) indicou que o nível da Cantareira caiu hoje até 7,4%, já em uso da primeira cota do "volume morto".

Segundo a Sabesp, a companhia tem dispostas bombas para iniciar a captação de água no volume sob as comportas da vizinha represa Jaguari-Jacareí, mas Arce advertiu que as operações de bombeamento só começarão quando "o nível estiver esgotado" na Cantareira.

A crise hídrica de São Paulo motivou também criticas por parte do governo federal, como a do diretor da Agência Nacional de Águas (ANA, reguladora), Vicente Andreu, que acusa o governo regional de não ter alertado a população sobre a "gravidade da situação".

Por esse tipo de diferenças, a ANA se retirou do grupo técnico que auxilia o governo paulista.

Consultada pela Agência Efe, a Sabesp assegurou em uma nota que "não haverá racionamento" em nenhuma das 364 cidades nas quais opera no estado e garantiu que para eles foram "tomadas medidas" como a transferência de água proveniente de outros sistemas (Alto Tietê, Rio Grande, Rio Claro e Guarapiranga) e estímulos por economia de consumo.

Perante a situação, o Movimento dos Trabalhadores Sem-teto (MTST) convocou hoje a uma manifestação contra a falta de água nos bairros periféricos da cidade. EFE

wgm/ff

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.