Reservatório estoura e perde 7 mil litros de água em Itu

Um dos seis reservatórios flexíveis adquiridos para abastecer a população de Itu estourou na tarde de quarta-feira após ser enchido por um caminhão-pipa

Um dos seis reservatórios flexíveis adquiridos para abastecer a população de Itu (SP), que enfrenta grave crise hídrica, estourou na tarde de quarta-feira (29) após ser enchido por um caminhão-pipa. Cerca de 7 mil litros de água se perderam. O equipamento, do tipo bolsão, foi adquirido por meio do convênio entre o município e o governo estadual para amenizar a falta de água na cidade, em racionamento drástico desde fevereiro deste ano.

O comitê de gestão da crise mandou examinar os outros bolsões para verificar a segurança do sistema. Na noite de ontem, cerca de 60 moradores interditaram uma das pistas da Rodovia do Açúcar (SP-75) em novo protesto contra a falta de água. Como na noite anterior, eles fizeram uma barricada com paus e galhos e atearam fogo. A pista ficou fechada por mais de uma hora no décimo primeiro protesto contra a falta de água nos três últimos meses.

Comerciantes reclamam que estão pagando pelo ar que sai das torneiras. Um deles, Ivan Pereira, dono de uma lanhouse, filmou o hidrômetro girando em alta velocidade e liberando apenas ar. Apesar de ter apenas um banheiro no estabelecimento, a conta de água subiu de R$ 180 para R$ 369 por mês. "Estou pagando pelo ar", reclamou. A concessionária Águas de Itu informou que essa e outras contas de pessoas que reclamaram estão sendo revistas.

O barramento do rio Piraí, apontado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) como futura solução para o problema de falta de água em Itu, está longe de sair do papel. A obra é planejada por um consórcio formado pelos municípios de Itu, Salto, Indaiatuba e Cabreúva, mas o projeto esbarra em questões ambientais e áreas tombadas, além da falta de recursos. "Para se ter uma ideia do atraso, o consórcio foi criado em 2003 e, até agora, houve pouco avanço", disse o deputado José Olímpio (PP-SP). A represa deve armazenar nove milhões de metros cúbicos de água.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.