Prints de WhatsApp Web não valem mais como provas em tribunais

A justificativa da Corte é de que as mensagens podem ser alteradas e o contexto de conversas omitido
Não adianta 'printar': na opção 'apagar somente para mim' o mensageiro não deixa sinais de que o trecho foi excluído (Tamires Vitorio/Exame)
Não adianta 'printar': na opção 'apagar somente para mim' o mensageiro não deixa sinais de que o trecho foi excluído (Tamires Vitorio/Exame)
A
André Lopes

Publicado em 17/06/2021 às 14:49.

Última atualização em 18/06/2021 às 07:40.

Em uma decisão que atualiza os tipos de provas digitais aceitas no Superior Tribunal de Justiça, a partir de agora, prints do WhatsApp Web não poderão ser mais ser usados. A Corte justifica que as capturas de tela podem ser manipuladas, além da ordem de diálogos e mensagens poderem ser omitidas.

"Tendo em vista que a própria empresa que disponibiliza o serviço, em razão da tecnologia de encriptação ponta-a-ponta, não armazena em nenhum servidor o conteúdo das conversas dos usuários”, diz a decisão do STJ.

O novo parecer surgiu com um processo onde o acusado pelo Ministério Público foi incriminado com conversas de um grupo do WhatsApp.

A defesa do réu recorreu dizendo não ser possível comprovar autenticidade do material. O pedido foi negado e os advogados protocolaram um habeas corpus por constrangimento ilegal.