Primeiro-ministro da Malásia diz que avião caiu no oceano e que não há sobreviventes

Anúncio foi feito na manhã desta segunda-feira em coletiva de imprensa

O primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, e a companhia aérea Malaysia Airlines, que operava o voo MH370 desaparecido, afirmaram na manhã desta segunda-feira que "não há dúvidas" de que o Boeing 777 caiu no sul do Oceano Índico, e que as 239 pessoas a bordo não sobreviveram. O anúncio é a primeira confirmação oficial das autoridades malaias de que a aeronave afundou no oceano. 

O avião, no entanto, ainda não foi encontrado, apesar de novos objetos indicarem sua possível rota final.

"Nós lamentamos muito, mas temos que assumir sem dúvida de que o MH370 se perdeu e que ninguém a bordo sobreviveu. Precisamos agora aceitar que todas as evidências sugerem que o avião caiu no sul do Oceano Índico", informa a nota oficial, reproduzida pelo jornal The Guardian.

Novos objetos flutuantes que podem ser do avião foram encontradas nesta manhã por um avião militar chinês que sobrevoava a área ao sul do Índico. A região é a mesma em que satélites da França, China e Austrália localizaram destroços.

Também hoje, um avião da força aérea australiana localizou dois objetos a cerca de 1 500 quilômetros do país: um cinza circular e outro laranja e retangular, segundo o primeiro-ministro australiano Tony Abbott.

Ele afirmou que os objetos eram diferentes dos possíveis destroços localizados hoje pela China. Abbott disse que aeronaves australianas, americanas e japonesas estão a caminho do local para continuar as buscas.

Abbott mais uma vez alertou para os riscos de que os objetos não tenham relação com a aeronave perdida. "Eles podem ser lixo de navios de carga", disse no Parlamento Australiano. "Porém, estamos esperançosos de que poderemos recuperar esses objetos logo e que eles nos farão dar um passo a mais para resolver esse trágico mistério."

Já um boletim de um avião da força aérea chinesa também deu sinais que a busca pode estar se aproximando de um final. "A tripulação de um avião chinês IL-76 avistou alguns objetos suspeitos no sul do Oceano Índico na segunda-feira", disse um repórter da Xinhua, agencia de notícias oficial da China, que está no avião de buscas.

A aeronave encontrou vários objetos de uma altura de 3 200 pés (1 000 metros de altura), incluindo dois grandes pedaços. "Havia dois grandes objetos, e alguns pequenos fragmentos brancos dentro de um raio de vários quilômetros", afirmou o repórter.

O voo MH370, que saía de Kuala Lumpur em direção a Pequim, desapareceu no dia 8 de março, com 239 pessoas a bordo. Ele sumiu dos radares cerca de 40 minutos após a decolagem, e desde então as autoridades buscam por seu destino final.

Inúmeras suspeitas surgiram em torno do sumiço, entre elas terrorismo, e sequestro. Uma popular teoria na internet, formulada por um piloto americano, sugere que fumaça na cabine poderia ter causado o acidente fatal.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.