Pesquisadores usam menções no Twitter para descobrir origem do coronavírus

O grupo de pesquisadores buscou menções de pneumonia e tosse seca antes de 2020

Buscando entender as origens do novo coronavírus, um grupo de pesquisadores na Itália podem ter encontrado a resposta não em Wuhan, cidade chinesa onde foram confirmados os primeiros casos, mas sim na rede social Twitter.

Por enquanto, não há uma conclusão definitiva sobre a origem da covid-19, além do consenso científico que a doença originou de um animal. Estudos mostram que o vírus já estava se espalhando pela região europeia no momento que o vírus surgia em Wuhan, o que gera diversas hipóteses sobre o local de 'nascimento' do coronavírus.

Devido a isso, os pesquisadores da IMT School for Advanced Studies Lucca decidiram seguir uma abordagem diferente para entender a origem da pandemia.

Publicado pela Nature, o estudo busca menções sobre pneumonia no Twitter nas sete línguas mais faladas na Europa (inglês, alemão, francês, italiano, espanhol, polonês e holandês) entre dezembro de 2014 e 1º de março de 2020.

Para garantir precisão, eles ignoraram os dados dos dias 31 de dezembro de 2019, quando a doença foi anunciada, e 21 de janeiro de 2020, quando foi confirmado a disseminação da doença entre humanos.

"Focamos na pneumonia por duas razões: a pneumonia é a condição mais grave induzida pela covid-19 e a temporada de gripe em 2020 foi mais amena do que nos anos anteriores", afirmam os pesquisadores no estudo.

Utilizando a ferramenta de localização, os autores do estudo relataram que cidades com os principais surtos de covid-19 começaram a tuitar mais sobre pneumonia em janeiro de 2020, em comparação com o mesmo período em 2019, o que indica a existência de hotspots de covid-19 antes da doença ser oficialmente diagnosticada.

Eles tentaram a mesma pesquisa para outro sintoma da doença, a tosse seca, e obtiveram a mesma conclusão: um aumento significativo de menções do sintoma durante o mês de janeiro.

Os pesquisadores afirmam que o mesmo estudo deve ser realizado em outras regiões do mundo para entender a origem da doença mais a fundo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.