Pagamento pelo WhatsApp volta quando proteção de dados for provada, diz BC

Nesta semana, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) voltou a permitir a criação do sistema de pagamentos, mas o BC ainda proíbe

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou nesta quinta-feira que os pagamentos pelo WhatsApp serão aprovados pela autarquia assim que for comprovado que o arranjo proposto pela empresa é competitivo e tem a proteção de dados na forma que o BC considera adequada.

Ao participar de evento promovido pelo jornal Correio Braziliense, ele afirmou que o entendimento da autoridade monetária é que um arranjo que começa com 120 milhões de usuários — base do WhatsApp no país — não é pequeno e, portanto, precisa passar pelo mesmo crivo que outros arranjos.

"Em nenhum momento o BC proibiu nada, está disposto a autorizar assim que for seguido o mesmo trilho dos outros arranjos", disse.

Nesta semana, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) decidiu retirar a medida cautelar que impedia acordo para a criação de um sistema de pagamentos no país recentemente lançado pelo WhatsApp com a maior empresa do setor no Brasil, a Cielo. O órgão de defesa da competição afirmou, porém, que vai continuar a investigação sobre a parceria.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.