Tecnologia

Oi prevê equilibrar operação celular em SP

A Oi estima chegar ao equilíbrio financeiro em sua operação celular em São Paulo em abril e prevê crescer a base de clientes móveis no estado em até 45% em 2010, para entre 7,5 milhões e 8 milhões.

EXAME.com (EXAME.com)

EXAME.com (EXAME.com)

DR

Da Redação

Publicado em 15 de março de 2010 às 18h22.

São Paulo - A companhia, que amargou prejuízo líquido de 365 milhões de reais no quarto trimestre e de 436 milhões de reais em 2009, será "agressiva com parcimônia" em São Paulo este ano, afirmou hoje o vice-presidente financeiro da empresa, Alex Zornig, em teleconferência com jornalistas.

A operação celular da Oi no Estado foi lançada em outubro de 2008, passando a rivalizar com as grandes estabelecidas em São Paulo: Vivo, Claro e TIM.

"Vamos continuar com algumas ofertas surpresas, nosso foco vai ser distribuição e cobertura, principalmente no oeste do Estado", disse Zornig.

Segundo ele, a Oi já investiu 1,5 bilhão de reais em São Paulo e instalou cerca de 2.400 torres transmissoras que passaram a cobrir 60% dos 645 municípios do estado.

Com o aumento da cobertura paulista, o resultado da Oi acabou sendo afetado por impacto negativo de 350 milhões de reais em 2009, disse Zornig. A empresa também registrou gastos para lançamento e promoção de seus produtos na área da Brasil Telecom, que está sendo incorporada pelo grupo e gerou despesas de integração.

Os investimentos previstos pelo grupo para 2010 são de 3 bilhões a 4 bilhões de reais, montante até 41,3% menor que os 5,11 bilhões de reais aplicados em 2009.

"Não precisamos aumentar em 2010 porque todos os investimentos que tínhamos que fazer já foram feitos", disse Zornig, referindo-se a compra de licenças, aquisição da BrT e entrada no mercado de telefonia móvel em São Paulo. 

O executivo afirmou que a meta da empresa como um todo em 2010 é focar na geração de caixa, após a queda de 14,5% no Ebitda - lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, na sigla em inglês - no quarto trimestre, para 2,065 bilhões de reais, e do recuo anual dessa linha em 27%, para 7,315 bilhões de reais.

A expectativa é que a margem Ebitda do grupo em 2010 fique entre 33% e 34%, após 33% em 2009.

"Vamos buscar melhorar margens principalmente na região 1 (original da empresa). Nas regiões 2 (Brasil Telecom) e 3 (Estado de São Paulo), o crescimento da base ainda é importante", disse Zornig, afirmando que em São Paulo a ordem é priorizar a venda de celulares pós-pagos, com margens maiores.

Segundo ele, em 2009 a Oi conseguiu sinergias de cerca de 600 milhões de reais com a BrT. Para 2010, o valor deve ser alcançar cerca de 1,1 bilhão de reais.

Acompanhe tudo sobre:3GBrasil TelecomCelularescidades-brasileirasEmpresasEmpresas abertasEmpresas brasileirasEmpresas portuguesasIndústria eletroeletrônicaMetrópoles globaisOiOperadoras de celularsao-pauloServiçosTelecomunicaçõesTelemar

Mais de Tecnologia

Apenas 20% dos CFOs estão satisfeitos com os resultados dos investimentos em tecnologia

Meta negocia comprar 5% da EssilorLuxottica, dona da Ray-Ban que comprou a Supreme, diz WSJ

Meta abre dados do Instagram para estudo do impacto na saúde mental de adolescentes

O que é o Prime Day? Nos EUA, ele deve movimentar US$ 14 bilhões

Mais na Exame