Tecnologia
Acompanhe:

O Google sabe o que você fez na noite passada

O Google liberou hoje, para os usuários, um novo recurso que permite obter um relatório detalhado de atividades nos sites da empresa

O novo relatório de atividades do Google já está disponível para os brasileiros  (Justin Sullivan / Getty Images)

O novo relatório de atividades do Google já está disponível para os brasileiros (Justin Sullivan / Getty Images)

M
Maurício Grego

Publicado em 28 de março de 2012, 15h19.

São Paulo — Quer saber quantas mensagens você enviou e recebeu no Gmail, quantas buscas fez no Google e quantas horas passou com o browser aberto? Uma nova opção no gerenciamento de contas do Google permite obter um relatório detalhado sobre as atividades do usuário.

Para ver o relatório, é preciso ativá-lo na página de configuração de contas do Google. O sistema, então, registra as atividades e emite um boletim mensal. Um e-mail opcional avisa quando uma nova edição fica disponível. Para que isso funcione, é preciso que o usuário tenha feito login no Google com seu nome e sua senha. O acesso ao relatório é protegido por essa mesma senha. 

Por enquanto, o boletim inclui buscas, e-mail e check-ins feitos por meio do Google Latitude. Além dos números, há informações sobre como cada item variou. É possível descobrir, por exemplo, que o volume de mensagens recebidas no Gmail cresceu 10% em relação ao mês anterior. Por enquanto, não há dados sobre serviços como Picasa, YouTube ou Google Plus.

Andreas Tuerk, gerente de produto do Google, diz, no blog da empresa, que o plano é ir incorporando mais serviços ao relatório com o tempo. Tuerk observa que examinar o relatório pode ser uma maneira de se prevenir contra uma possível invasão da conta. Se houver registro de um check-in no Cazaquistão, por exemplo, num dia em que a pessoa não saiu do Brasil, esse é um indício óbvio de que a conta foi violada.

O usuário poderia, nesse caso, trocar sua senha e adotar um modo mais seguro de autenticação, com dupla verificação. Essa opção faz com que, para fazer o login no Google, seja preciso digitar, além da senha, um código que é enviado via SMS ou mensagem de voz. O código também pode ser obtido por meio de um aplicativo para smartphone, o Google Authenticator, disponível para iPhone e Android.