Tecnologia

MS lidera ranking de remoções de links do Google

Empresa é líder em número de pedidos de remoção de links para conteúdos protegidos por direitos autorais no buscador

Microsoft atua para coibir o compartilhamento de arquivos de instalação e números seriais de softwares (Justin Sullivan/Getty Images/AFP)

Microsoft atua para coibir o compartilhamento de arquivos de instalação e números seriais de softwares (Justin Sullivan/Getty Images/AFP)

DR

Da Redação

Publicado em 25 de maio de 2012 às 12h17.

São Paulo - A Microsoft é a empresa líder em número de pedidos de remoção de links para conteúdos protegidos por direitos autorais no Google.

Basicamente, a Microsoft atua para coibir o compartilhamento de arquivos de instalação e números seriais de softwares como Windows e o pacote Office.

Segundo o relatório Transparency Report, divulgado pelo próprio Google, a Microsoft enviou ao serviço de buscas pedido para a remoção de 536 mil links entre julho de 2011 e maio de 2012. Em segundo lugar, aparece o estúdio NBC Universal, com 165 mil pedidos.

A BPI (British Recorded Music Industry), com 151 mil, a Elegant Angel, com 41 mil, e a RIAA (que representa gravadoras como Sony, EMI, Universal e Warner), com 31 mil, completam o time das cinco primeiras.

De acordo com o Google, a remoção de links para conteúdo protegidos lidera entre os pedidos enviados à empresa. “Esperamos que esses dados contribuam para a discussão sobre os prós e contras do compartilhamento de arquivos”, afirmou o Google.

Até então, o Transparency Report do Google relatava apenas pedidos feitos pela Justiça de cada país.

Acompanhe tudo sobre:BuscaCopyrightEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaGoogleMicrosoftTecnologia da informação

Mais de Tecnologia

Uber apresenta instabilidade no app nesta sexta-feira

Zuckerberg diz que reação de Trump após ser baleado foi uma das cenas mais incríveis que já viu

Companhias aéreas retomam operações após apagão cibernético

O que faz a CrowdStrike, empresa por trás do apagão cibernético

Mais na Exame