Meta derruba redes de desinformação sobre a guerra na Ucrânia

Cerca de 60 sites falsos imitavam meios de comunicação conhecidos, como os jornais alemães Der Spiegel e Bild, o inglês The Guardian e a agência italiana ANSA
Meta: empresa derruba redes de desinformação sobre a guerra na Ucrânia (Meta/Reprodução)
Meta: empresa derruba redes de desinformação sobre a guerra na Ucrânia (Meta/Reprodução)
A
AFP

Publicado em 27/09/2022 às 13:42.

Última atualização em 27/09/2022 às 13:43.

A Meta, empresa matriz das redes sociais Facebook e Instagram, anunciou nesta terça-feira, 27, que derrubou o que parece ser a maior rede de desinformação da Rússia sobre a guerra na Ucrânia, assim como uma outra rede menor da China para influenciar as próximas eleições americanas.

A operação russa começou em maio e foi direcionada principalmente à Alemanha, mas também França, Itália, Ucrânia e Reino Unido, informou David Agranovich, funcionário da Meta, durante uma coletiva de imprensa.

 Receba as notícias mais relevantes do Brasil e do mundo toda manhã no seu e-mail. Cadastre-se na newsletter gratuita EXAME Desperta.

No centro da operação estavam 60 sites falsos imitando meios de comunicação conhecidos, como os jornais alemães Der Spiegel e Bild, o inglês The Guardian e a agência italiana ANSA, disse a Meta.

A rede russa criou artigos com críticas à Ucrânia e apoio à Rússia, e os compartilhou no Youtube, Facebook, Instagram, Telegram, Twitter e em plataformas de petição online.

A Meta decidiu investigar após os jornalistas alemães questionarem a autenticidade desses sites, conta a empresa de tecnologia.

"Essa é provavelmente a maior e mais complexa operação de origem russa que interrompemos desde o início da guerra na Ucrânia", com "uma combinação verdadeiramente incomum de sofisticação e força bruta", explica Agranovich.

Por um lado, a imitação de sites existentes em vários idiomas requer "grandes investimentos técnicos e linguísticos", observa ele.

Por outro, a divulgação dos artigos nas redes sociais foi feita principalmente através da compra de anúncios ou de contas falsas, sem muito sucesso. Muitas vezes, essas contas eram detectadas automaticamente pelo sistema de alerta da Meta.

LEIA TAMBÉM: Brasil atinge 5 milhões de páginas na internet com domínio .br

No total, a empresa californiana confirma ter bloqueado 1.633 contas, 703 páginas e um grupo no Facebook, assim como 29 contas no Instagram.

Já a rede operada na China e detectada pela Meta, muito menor, tentou várias operações, duas delas direcionadas aos americanos.

Na primeira, contas falsas se passavam por conservadores e discutiam temas como armas ou aborto, ou até criticavam Joe Biden. As mensagens estavam principalmente em inglês, mas também eram encontradas em chinês ou francês.

Em outra operação, quem se denominava progressista criticava as posições do Partido Republicano também sobre armas ou aborto, ou atacava pessoalmente as políticas republicanas.

Essa é a primeira vez que uma operação de desinformação tem como alvo tanto os democratas como os republicanos, ao levantar temas controversos antes das eleições legislativas do dia 8 de novembro, destaca a Meta.

Essa mesma rede com sede na China também atacou internautas tchecos com material que criticava o apoio de seu governo à Ucrânia, sua política em relação à China e, no geral, tentou divulgar informações sobre questões geopolíticas que criticavam os Estados Unidos.

No total, nesta segunda rede, a Meta bloqueou 81 contas, oito páginas e um grupo no Facebook, assim como duas contas no Instagram.

A empresa disse não ter provas suficientes para incriminar determinados grupos na Rússia ou na China.

LEIA TAMBÉM: