Mais de 70 mil fotos do Tinder estão sendo espalhadas pela internet

A estimativa é de que pelo menos 16 mil mulheres tenham sido vítimas da divulgação de imagens e informações de seus perfis em um fórum online

Tinder: aplicativo teve mais de 70 mil fotos de usuárias espalhadas na internet (Mike Blake/Reuters)
Tinder: aplicativo teve mais de 70 mil fotos de usuárias espalhadas na internet (Mike Blake/Reuters)
RL

Rodrigo Loureiro

Publicado em 20 de janeiro de 2020 às 16h06.

Última atualização em 20 de janeiro de 2020 às 16h09.

São Paulo - A sua foto do Tinder, ou de qualquer outra rede social, pode estar sendo divulgada indevidamente em algum lugar da internet, como em um fórum criminoso reportado pelo portal Gizmodo. De acordo com o site, mais de 70 mil fotos de usuários do aplicativo de relacionamento foram compartilhadas na rede social privada.

Ainda não há informações se o problema se trata de um vazamento de dados da companhia ou se as fotos foram coletadas uma a uma, com ou sem a ajuda de programas. A coletânea foi encontrada por Aaron DeVera, membro da força-tarefa contra crimes sexuais pela internet da cidade de Nova York.

As fotos são acompanhadas da descrição da pessoa no aplicativo. Há também o endereço de mais de 16 mil perfis da rede social. A estimativa é de que esse seja o número total de pessoas atingidas. Cada internauta pode fazer o upload de até nove fotos em sua conta, o que poderia totalizar nas 70 mil imagens compartilhadas.

Também não há muitas explicações até o momento sobre o motivo das imagens estarem sendo compartilhadas e as possibilidades são várias. Pode ser que o caso se trate apenas de assédio contra as usuárias até a criação de banco de dados de imagens para alimentar algum software munido com sistema artificial ou criar os chamados perfis “deepfakes”.

Ao Gizmodo, um representante do Tinder afirmou que existe a proibição da empresa para o compartilhamento de fotos ou de qualquer informação do aplicativo fora do serviço. A companhia também tomaria os passos necessários para remover as informações divulgadas. Na prática, contudo, isso é uma missão quase impossível.

Acompanhe tudo sobre:AppsAssédio sexualTinder

Mais de Tecnologia

Pulga atrás da orelha: minha experiência com o Vision Pro, da Apple

Brasil é campeão no Mundial de Robótica em Houston

Em Santa Catarina, médico leva Apple Vision Pro para ser usado em cirurgia ortopédica

TikTok dá mais um passo para fora dos Estados Unidos

Mais na Exame